Busque Saber

30.7.06

Fé, Esperança e Amor!


No momento estou me preparando para falar a uma platéia na cidade de Dinslaken, no norte da Alemanha, por ocasião das Festas anuais da Instituição Gustav Adolf Werk. Vou basear meu conteúdo nas frases iniciais da primeira carta que o apóstolo Paulo escreveu aos tessalonicenses.

A Comunidade de Tessalônica era muito pequena. Nela havia pouca famílias participantes. Mas que faziam “barulho”, ah isso faziam. Chamavam a atenção da circunvizinhança pelo fato de serem alegres e dinâmicos. Porque eles eram assim? Simples! Eles deixaram de adorar ídolos e passaram a alicerçar suas histórias pessoais na articulação da fé, em esperança e amor. Sempre de novo eu tenho notado isso. Pessoas que se sabem abençoadas por Deus, não têm medo de amar seus semelhantes. Eu, por "chegar perto de quem está ao meu lado" entendo "solidarizar-se com ele" e isso, no meu ponto de vista, é amor.

Nunca mais esquecerei da D. Júlia, moradora de uma Favela que visitei no Brasil. Ela era uma senhora de idade que cuidava de mais de 35 pequenas filhas e filhos de trabalhadoras e trabalhadores empobrecidos. Não ganhava quase nada em troca do trabalho que fazia e, todo dia, preparava uma gostosa sopa de verduras para aquelas pequenas criancas. Outro dia perguntei-lhe: - A sra. recebe tão pouco em troca deste trabalho. Como consegue fazer uma sopa tão substanciosa e isto, todo o dia?

“Ah pastor! – disse ela – acordo cedinho. Vou lá embaixo na feira (mais ou menos 2 km de descida e, depois, subida íngrime) e escolho o melhor dos restos que os feirantes jogam fora. Faço isso porque não consigo ver esses meus meninos com fome. Deus há de me ajudar com forças para eu poder ir fazendo este trabalho adiante.” Bons testemunhos ainda temos hoje, mais perto do que pensamos.

28.7.06

Alegria!


Quando o salmista Davi disse que “o Senhor era a sua Luz”, ele deixou claro que Deus era a razão da sua alegria. O apóstolo Paulo também deu um testemunho semelhante, quando sugeriu ao povo de Filipos que “se alegrassem no Senhor”.

Outro dia estive lendo sobre o missionário Hudson Taylor, fundador da Missão Crista na China. Ele conhecia perfeitamente esta alegria que brota da relação com Jesus Cristo. Num certo dia escreveu uma carta à sua esposa onde se lia: - “A manhã está linda, completamente ensolarada. No entanto, a clareza do sol em nada se compara ao brilho que existe dentro de mim”.

Há momentos na vida em que só vemos escuridão, tanto fora como dentro de nós. Vêm horas em que todas as luzes terrestres do mundo se apagam. Quem já não experimentou esta sensação? Pois Davi, Paulo e Hudson apontam para esta Luz que brilha sempre: o nosso senhor e salvador Jesus Cristo.

Estou convicto disso e não abro mão: somente a proximidade e o amor de Jesus para conosco é que podem nos encher daquela verdadeira alegria que Deus sempre sonhou para nós.

27.7.06

Help! Hilfe! Socorro!


Estamos no final de julho de 2006 e faz muito calor aqui em Munique. Ontem, num dos jornais da nossa cidade, podia-se ver a foto de uma árvore centenária que, plantada no famoso “Englischen Garten” (3,7 km² de área verde no coração de Munique), morria por causa do calor.

Neste momento todos os cidadãos muniquenses estão convidados a regar as plantas que crescem nas cicunvizinhanças. Não deixa de ser interessante esta “chamada” da mídia, tendo-se em vista que o rio Isar, que corta a capital da Baviera de sul a norte e que, hoje, se encontra completamente despoluído, acabou de baixar o nível de suas águas em 25 cm, nas últimas 24 horas.

Estas e outras informações para as quais a gente vai dando pouca importância tem relevância sim. Fatos como os que relatei acima são total novidade na Alemanha, onde o verão sempre foi verão e o inverno sempre inverno; onde o termômetro nunca se aventurou muito para cima ou para baixo.

As vezes carrego a impressão que estamos criando a pauta para nossa própria desestrutura como povo de Deus. Algumas medidas bem que deveriam ser tomadas aqui e agora. Nossa Amazônia está sumindo do mapa; está indo pro “brejo” – como diria meu avô. O mundo sofre suas dores e emite os sinais delas mas, mesmo assim, poucos de nós estão compreendendo os seus recados. Alô G8… Vocês precisam ajudar senão a “coisa” simplesmente nao vai funcionar.

7.7.06

Amigão de 1966!


O ano de 1966 foi importantíssimo para mim. Minha família estava mais bem estruturada e eu, de uma hora para outra, estudava num bom colégio santacruzense. Lembro que eu, naqueles tempos, vivia intensamente cada minuto da minha vida. Ao meu lado sentava o Ernesto. Éramos alunos aplicadíssimos. Entendiamo-nos só pelo olhar. Dava prazer encontrar a turma, sempre de novo, pela manhã. Em julho daquele ano meus pais e meus irmãos mudaram-se para a capital e eu fiquei morando na casa da minha avó. Lembro que sempre dava um jeito rápido nas tarefas de casa e lá íamos nós, o Ernesto e eu, nos aventurar pelos cantos e recantos da Capital do Fumo.

Éramos amicíssimos. Num certo dia chuvoso, vínhamos caminhando e, num dado momento, lá no fundo de um patio, vimos uma bola. O Augusto, nosso amigo comum, pulou a cerca e, de uma hora para a outra, éramos os novos donos da “redondinha”. Decidimos que na primeira semana ela ficaria comigo, na segunda com o Augusto e na terceira com meu amigão. Cuidei dela com todo carinho. Quase não joguei com a mesma no intuito de conservá-la o máximo possível. O Augusto fez o mesmo. Passaram-se 21 dias e recebi a bola do Ernesto. Os gomos de couro estavam completamente comprometidos. Aquilo mexeu muito comigo e acabei cortando nossa amizade. Foi duro aguentar aquela decisão mas me mantive firme, orgulhoso. O fato é que nunca mais me esqueci do colega.

Passaram-se 40 anos. Há algumas semanas, assim, sem mais nem menos, decidi escrever o nome do velho ex-amigo de infância num destes instrumentos de procura da internet. Pois não é que o descobri morando numa pequena cidade interiorana de Minas Gerais? Estamos nos correspondendo via Orkut e, creio eu, qualquer dias destes teremos oportunidade de nos reencontrarmos e, então, relembrarmos dos tempos que tomamos água de sanga; que nos banhamos em riachos da periferia da cidade; que jogamos bola em potreiros da vizinhança… Sim, “a amizade é na vida uma canção que simplesmente faz vibrar o coração”. Grande Ernesto!

6.7.06

Crises!


Os últimos seis anos que estou vivendo em Munique foram e ainda estão sendo de muito crescimento, tanto para dentro como para fora de mim. A crise que vivi por estar longe da minha cultura, da minha gente, mexeu muito comigo. Outro dia, lendo o livro de Gênesis, percebi que Abraão, ao ser chamado a deixar sua parentela e sua terra, também viveu momentos de dificuldade. O texto bíblico deixa claro que, para ele, o fato de experimentar ser extrangeiro foi a ótima oportunidade da sua vida; foi sua grande chance de crescimento para dentro dessa proposta mais aberta que Deus lhe propôs ou seja: ser uma bênção a todas as gentes. (Gn 12.1-3)

Penso que tenho podido ser um pouco disso, para mais de duas centenas de estudantes estrangeiros oriundos de países em desenvolvimento que estudam aqui na “Ludwig Maximilian Universität – München”. Estou me sentindo muito bem. Minha família tem notado este estado de espírito em mim e agora, vejam só, estou prestes a voltar. Sim, estou “louco” para poder reaplicar meus dons na nossa querida IECLB. Tempos excelentes estes de 2006.

Um Anjo!


Foi ontem, que careci de ajuda.
De repente – um anjo!
Não! Ele não tocava banjo.
Olhos grandes, verdes,
Bem ali, ao meu lado!
Não! Também não era alado!

Problemas?…Perguntei excitado.
Já ele? Sorriso aberto.
Sim! Eu tinha que ser esperto.
Crises catapultam soluções
Que arquitetam recomeços
De aceitações e de apreços.

Fiz-me ranzinza…
E pintei-me difícil.
Mas ele – insistente,
Tinha palavra contundente!
Levanta! Ama de novo!
Aceita a vida, assim é.
Vive a tua fé.

Visita Boníssima!


Pois o Áquila se foi. Foi sua terceira visita, em seis anos aqui em Munique. Nem vi o tempo passar. Tudo correu tão depressa e lá se foram os 50 dias de intensivo convívio. Conversamos sobre tantas coisas. Recordamos os bons tempos de sua meninice em Cidade Gaúcha, Cruz Alta e Florianópolis. Conversamos sobre o momento presente. Sobre as perspectivas, depois da Faculdade de Administraçao na ESAG. Sobre a possibilidade de ficarmos mais perto um do outro, agora, quando do nosso retorno definitivo ao Brasil.

Estou vivendo momentos muito bons, tanto em termos familiares como profissionais. Minha família entrou numa profunda crise, naquele longínquo fevereiro de 2001. Nossos filhos não se adaptaram na capital de Bayern. O primeiro a voltar ao Brasil foi o Daniel. Ele disse que iria tratar do seu futuro e isto, com pressa. Nem festejou seu primeiro natal conosco. Fomos com ele até a estação central de trens. Suas malas estavam pesadas. Seu destino escrito na janela do “trem bala”: Frankfurt. Quando embarcou fiquei olhando-o. Estava seguro de si. Ai que tristeza que eu precisei viver naqueles dias. Eu sabia que ali nossa vida familiar tomaria outro rumo. A nossa história comum abria, naquele momento, o seu leque para mais vida particular que, por sua vez, de novo, geraria mais família. O Áquila se foi de volta meio ano depois. Tudo aquilo nos foi muito dolorido.

Ontem nos despedimos mais uma vez. Agora, foi só por pouco tempo...

Boa Certeza!


Os meses de junho e julho de 2006 estão mexendo com como todos nós, aqui na Alemanha. Quando escrevo “todos nós”, refiro-me ao povo, aos nativos e aos estrangeiros que vivem nestas terras do continente europeu. A euforia simplesmente tomou conta do país. Foi bonito ver o brilho de esperança nos olhos de cada pessoa. A alegria ainda é contagiante nas calçadas. Em conversa com pessoas mais avançadas em dias ouço que, depois da guerra, nunca mais tinham visto tantas bandeiras em vermelho, preto e dourado, tremulando em cada janela, na maioria dos automóveis. Perguntei-lhes que sentimento isto lhes evocava e foram sinceras: - Não é bom lembrar daqueles tempos de nacionalismo exagerado.

Interessante isso. Nos últimos 60 anos o povo alemão abdicou de expressar seu amor à patria, de carregar sua bandeira com orgulho. Lembro que na copa de 2002 isso era “tabu”. Nos últimos quatro anos tudo mudou. No momento em que o jogo entre a Alemanha e a Itália encerrou, a massa chorou. As lágrimas rolavam dos rostos dessa gente que, fora daqui, é considerada fria e sem sentimentos. Minha esposa e eu choramos juntos aquela derrota da semana que passou. A verdade é que esta experiência uniu mais as pessoas deste lugar. As vezes tenho a impressão de que momentos de dor conseguem unir mais do que instantes de alegria sem fronteiras.

Foi assim com o meu time do coração no ano de 2005. Estávamos na segunda divisao do futebol brasileiro. Jogávamos com equipes praticamente sem história. Mesmo assim, os torcedores estavam lá, sempre em maior número até, doando-se pela equipe. Quando em novembro de 2006 disputamos o jogo final no estádio dos Aflitos, em Recife, a união era a nossa marca. Agora estamos indo para os últimos jogos da Copa, aqui na Alemanha. A vida, devagarinho, vai retornando aos seus trilhos normais. Mas as relações pessoais, pelo menos aqui na Baviera, vão seguir rumos mais bem simpáticos a partir de agora. Ah disso eu carrego boa certeza.

1.7.06

Indo ao encontro do outro!



A palavra “pecado” traz um conteúdo extremamente pesado junto consigo. O que é “pecado”? Quem decide a respeito se isso ou aquilo é “pecado”? Será que eu posso me permitir fazer julgamento de terceiros? Pois penso que não!

No meu trabalho enconto situações que nem sempre posso esclarcer a contento. Os jornais falam sobre as inúmeras guerras e catástrofes que têm marcado nossa existência. O número das pessoas feridas e mortas é, sempre de novo, assustador. Dá até para se afirmar que a dor mora ao lado. Nem com o auxílio da fé consigo explicar o porquê disso tudo.

Entretanto, ouço ecos por aí. Há quem procure deixar claro que a razão da dor que alguns sofrem, tem origem no “pecado”. Me impressiona isto. Em alguns países é corrente que pessoas portadoras de deficiência estão pagando por “pecados” cometidos pela família. Pode isto?

Creio que não nos cabe emitir tais juízos de valor. Jesus veio ao mundo com o intuito de nos reaproximar. Daí porque não existe relação entre “pecado” e fatalidades, catástrofes. Em vez de julgarmos, que tal nos esforçarmos para reaproximarmos as pessoas umas das outras?!...

Assim, creio que não seria ruim se agradecêssemos a Deus pela Sua proposta de amor a nós. Agradecer-Lhe com palavras, atitudes e com nossa vida, enfim. Quando alguém “peca”, logo dispõe de um Justo Advogado, Jesus Cristo, junto a Deus. E este Conselheiro O influi a perdoar tanto as nossas como as “dívidas” de todas as pessoas do mundo.

No meu trabalho ocupamo-nos com as pessoas mais fracas da sociedade. Para mim isto é um “pedacinho” deste viver-se para o próximo. Em 1. João 3.18 se lê: “Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade.” Não seria esse um excelente caminho?

OLHA SÓ!

  A BAILARINA DE AUSCHWITZ Outro dia, após repartir algumas dificuldades com uma amiga, fui desafiado a ler o livro “A Bailarina de Auschwit...