20.5.11

Sepultar ou cremar nossos queridos I


Será que podemos cremar uma pessoa cristã, logo após a sua morte? Pode um cristão permitir-se a cremação? Como fica a questão da ressurreição? Nós não somos a imagem; a criação exclusiva dos dedos de Deus, como diz a Bíblia (Salmo 8.4-5)? Pode-se queimar a imagem de Deus? Essas são perguntas que muitos se fazem.

O fato é que esse assunto da “cremação” tem levantado muitas perguntas no seio da Igreja Cristã. Isso é assim porque muitos defendem que um “verdadeiro sepultamento” só pode ser quando o é sob alguma camada de terra. A verdade é que todas as pessoas que defendem essa ou aquela posição, também carregam suas incertezas. Isso é assim porque o tema da “morte” mexe com os nossos sentimentos. Porque isso é assim? Porque nos velórios sempre se percebem pessoas falando de assuntos “nada a ver” com o momento de reflexão? Porque tanta distância; tanta desinformação a respeito deste tema?

O contato com a morte mexe muito com as emoções das pessoas que estão envolvidas com o luto; com a perda de uma pessoa próxima. Sempre é assim que a dor do luto machuca muito àqueles que sempre estiveram próximos de quem, de repente, precisa “partir”. Já oficiei muitos sepultamentos e, sempre de novo, percebo perplexidade; profundas perturbações em quem fica. As emoções das pessoas se mostram bem diferenciadas quando se deita um corpo morto num caixão; quando se o enterra sob a terra; quando se o queima em fornos especiais; quando se recebe a urna contendo as cinzas – os restos do corpo daquele com o qual se conviveu.

A morte sempre foi, é e continua sendo um “tabu” (Uma idéia proibida de as pessoas se aprofundarem). Quase todos os indivíduos têm dificuldade para tratar deste tema. O fato é que não podemos controlar a morte. Não temos a mínima força para fazer parar o momento da morte. De repente ela vem, e vem definitivamente. Dá para se dizer que a morte é o último degrau de entrada na eternidade e o fato de sabermos disso, mexe muito com qualquer um de nós. É em vista disso que sempre tratamos os nossos mortos com extremo respeito. Observem que cada cultura tem os seus ritos quando o assunto gira em torno da relação com os seus falecidos.

Como cristãos, sempre queremos fazer a “coisa certa”; sempre temos a intenção de aproximarmo-nos ao máximo da vontade de Deus. Sim, temos dentro de nós o desejo de fazermos tudo conforme a Bíblia sugere que se faça. Então, “Cremação ou Sepultamento? O que diz a Bíblia?” De antemão quero deixar claro que a Bíblia não nos trás uma Palavra muito clara a esse respeito. Sim, nós gostaríamos muito que as Palavras da Bíblia fossem impressionantemente claras a esse respeito, mas não são. A Bíblia não explica muito bem quais os passos que um “ofício de sepultamento” deveria ter. Quando algumas pessoas defendem esta ou aquela maneira de se realizar um sepultamento, isso tem a ver com as suas experiências particulares; com a sua formação, mas não com as Verdades que brotam de dentro da Bíblia.

O tema “sepultamento” começou a entrar na pauta das discussões exatamente no momento da queda de Adão e Eva (Gênesis 3). Esse tema (morte) não existia no Paraíso. Deus disse às primeiras pessoas, logo após o seu “desvio”, que, a partir de agora, elas teriam que morrer; que, pelo fato de terem sido formadas da terra, também teriam que retornar a ela (Gênesis 3.19). Percebam que Deus já colocou, com “todas as letras”, o fato da morte ainda nos tempos do Paraíso: Se as pessoas comessem do fruto da árvore do conhecimento, elas teriam que experimentar a morte (Gênesis 2.17) e ponto final. Pois estamos experimentando a mesma nos nossos dias...