28.6.11

Decisão aqui e agora!


Martin Luther estava voltando de uma viagem. Ele tinha ido visitar os seus pais em Manfeldt. Os historiadores sustentam que essa viagem teria acontecido numa quarta-feira, dia 2 julho de 1505. Agora só faltavam mais uns seis quilômetros para ele chegar à cidade universitária de Erfurt. De repente o céu começou a escurecer e veio uma tempestade. O vento se mostrava forte e os relâmpagos eram assustadores. Num dado momento um dos raios atingiu uma das árvores que cresciam à beira do caminho que Lutero trilhava.

O nosso Reformador estava “morrendo” de medo. Até pode-se dizer que ele estava experimentando verdadeiro pânico. Foi exatamente neste momento que ele pediu proteção à Santa Ana. Mais do que isso: Fez um voto. Se a santa o ajudasse a sair vivo dali, se tornaria um monge. Foram as consequências desta decisão que mudaram o curso da História.

Nestes dias de julho, há 506 anos, um jovem fez a experiência de como é fácil mudar-se os rumos da vida quando se está debaixo de pressão. Sim, Lutero estava desesperado no meio daquela tormenta e pasmem: foi justamente este desespero que lhe oportunizou mudança de vida. Claro que não foi só Lutero que fez tal experiência. Volta e meia somos informados a respeito de pessoas que também experimentaram mudanças drásticas, a partir dos momentos difíceis que vivenciaram.

Lutero estava seguro do que ele queria para a sua vida. Ele já tinha planejado o seu futuro. Era por isso estudava para ser advogado. Que coisa incrível: um relâmpago foi capaz de mexer com tudo o que ele tinha construído em si, desde a meninice. Isso quer dizer que nós só temos o tempo do “aqui e agora” para tocarmos a nossa vida. Sim, porque o nosso futuro pode vir a não se concretizar. Foi em vista disso que Lutero se concentrou naquilo que era essencial. Que se danassem os sonhos de seu pai de vê-lo advogando. O que, de uma hora para a outra, passou a valer de verdade foi a perspectiva de uma caminhada cristã.

Escolhas impactantes como essa experimentada por Lutero não são muito comuns nos dias de hoje. Mas isso também não tem a menor importância. Podemos nos “encharcar” com muito mais vida, se ousarmos responder estas perguntas: Como me posiciono diante daquilo que realmente é importante na minha vida? Empurro as minhas decisões com a “barriga” esperando que, no futuro, tudo fique mais tranquilo para uma tomada de decisão? E se eu fizesse isso ou aquilo?...

É óbvio que nem sempre essa pergunta nos conduz até Deus. No entanto a resposta a esta questão pode nos ajudar a pesar melhor as decisões que tomamos no dia-a-dia. Para encontrarmos boas respostas para a nossa vida não seria nada ruim se incluíssemos Deus na “parada”.