5.10.11

Louvor e Compromisso!


Essa será a minha pregação nos Cultos do dia 09 de outubro de 2011. Boa leitura!

O profeta Isaías fez lindas profecias. Já estamos vivendo os maravilhosos tempos previstos pelo profeta. Alegremo-nos e cantemos louvores a Deus porque já podemos experimentar a Sua bondosa mão sobre as nossas cabeças...

Em Isaías 25.6 se lê: “No monte Sião, o Senhor Todo-Poderoso vai dar um banquete para todos os povos do mundo; nele haverá as melhores comidas e os vinhos mais finos.” O Reino de Deus é com uma Grande Festa. Deus quer nos satisfazer e é por isso que Ele nos convida para bebermos bebida deliciosa; alimentarmo-nos com alimentos saborosos – tudo de primeira qualidade. Sim, Deus nos quer festejar conosco; quer comunhão conosco; quer nos presentear com felicidade pessoal e comunitária. Lembram do primeiro milagre que Jesus fez quando transformou água em vinho? Lembram do relato da Criação de Deus em Gênesis? Quando o nosso Deus cria “algo” esse “algo” sempre é da melhor qualidade. A obra de Deus é perfeita e nós, os não judeus, também temos espaço nela porque Jesus Cristo nos oportunizou o mesmo.

Em Isaías 25.7 se lê: “Deus acabará com a nuvem de tristeza e de choro que cobre todas as nações” Lembram do nosso tempo de crianças? Colocávamos um cobertor sobre as nossas cabeças e brincávamos de “fantasma”. Mesmo cobertos, sempre ainda víamos um pouquinho de claridade e escuridão, mas todos os detalhes não. São muitos os que carregam apenas uma “idéia religiosa” de Deus em si. Esse povo “sente” que não pode entender o mundo apenas com os cinco sentidos. Essas “nações” desconfiam que existe Alguém Maior a governar o mundo. Essas pessoas têm uma vaga percepção da Luz que é verdade sobre o tal “cobertor”. Sim, a maioria das pessoas só tem uma idéia parcial de Deus. Alegremo-nos! Foi Jesus quem nos ajudou a tirar o “cobertor” que cobria nossas cabeças. Foi Deus quem nos possibilitou que O reconhecêssemos como o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo; como o Deus que bem poderia nos condenar à morte por causa dos nossos pecados, mas que deixou esta idéia de lado; que investiu em nós, a partir da morte e da ressurreição de Seu filho amado.

Em Isaías 25.8 se lê: “O Senhor Deus acabará para sempre com a morte. Ele enxugará as lágrimas dos olhos de todos e fará desaparecer do mundo inteiro a vergonha que o seu povo está passando. O Senhor falou”. Gente querida! Isso já e verdade! Jesus Cristo “matou” a morte com Sua ressurreição (1 Coríntios 15.54). Nós fomos presenteados por Deus com a vida eterna. É em vista disso que podemos suportar as imperfeições; as doenças e os sofrimentos deste mundo. Sim, Deus vai enxugar todas as nossas lágrimas, aliás já está enxugando. Deus ouve as nossas orações! Claro que aqui e ali ainda há alguma razão para se chorar, mas temos a promessa de que Deus não vai nos sobrecarregar além das nossas forças. É só no “Novo Céu e na Nova Terra” que as nossas últimas lágrimas são secas.

Em Isaías 25.9 se lê: “Naquele dia, todos dirão: — Ele é o nosso Deus. Nós pusemos a nossa esperança nele, e ele nos salvou. Ele é o Senhor, e nós confiamos nele. Vamos cantar e nos alegrar porque ele nos socorreu.” É feliz quem pode dar glórias a Deus com cânticos de louvor e de gratidão. Somos participantes da glória de Deus e por isso: adoremos e louvemos ao Senhor!

Quem leva a Palavra de Deus a sério percebe que glorificar a Deus é mais do que só fazer e cantar boa música. O louvor a Deus também é uma confissão. Quem diz: Este é o nosso Deus, Jesus, que morreu por nós e depois ressuscitou; este é o Filho de Deus, verdadeiro homem e verdadeiro Deus; este é Aquele que deu acesso ao Pai; este é Aquele que me presenteou com a salvação dos pecados; este é o meu Salvador; este é o nosso Redentor, está louvando, glorificando a Deus. É esta a confissão que deve ser o conteúdo permanente do nosso louvor. Quem louva sem compromisso está desconectado de Deus; que faz uma confissão sem louvor demonstra secura; teoria; filosofia; teologia pela teologia. Adoração sem ensino; sem conteúdo, sem qualquer declaração de comprometimento, não passa de música de entretenimento. A nossa música pode ser leve e alegre, mas sempre estará ligada à confissão: “Este é o nosso Deus, Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, por meio do Qual a morte foi derrotada.” Amém!