1.2.08

Quaresma!


Estamos entrando no tempo da Quaresma. Esta data me desafiou a fazer algo diferente. Pensei sobre a idéia e decidi fazer uma entrevista
com a pessoa de Jesus Cristo sobre o tema “jejum”. Vejam o que Ele repartiu comigo...

Eu - Estamos entrando no tempo da Quaresma. Sabemos que o Senhor jejuou quarenta dias e quarenta noites no deserto. Aquele ato foi para perder peso?

Jesus – Não... (risos). Os motivos que me levaram a não ingerir alimentos eram outros bem diferentes daqueles de hoje. Com meu jejum quis entender melhor a vontade de meu Pai; quis preparar-me para melhor poder enfrentar a dor da morte na cruz por amor a ti e a todas as pessoas que lêem esta entrevista.

Eu - A Quaresma lembra abstinência de quitutes gostosos e de costumes adquiridos. De um modo geral, os brasileiros acreditam que o jejum fica mais fácil de ser cumprido participando ativamente do carnaval.

Jesus: A cristandade entende o carnaval como uma festa pagã. Essa prática nasceu na Igreja Católica dos tempos da Idade Média. Por quê? Ora, os mantimentos armazenados e não ingeridos em tempo hábil arruinavam durante as seis semanas de jejum que antecediam à Páscoa. Então se organizavam pequenas festas familiares que, paulatinamente, foram dando lugar às festas citadinas. Nelas se comia e bebia tudo aquilo que viria a se arruinar-se.

Ao lado, dançava-se a não mais poder. A Igreja contribuía com dinheiro para a organização destes eventos. As pessoas usavam máscaras para lembrar a morte, simbolismo esse que tinha o intuito de apontar para a vida passageira que vivemos neste mundo.

Mais tarde, os reformadores passaram a criticar e a lutar contra essa festa desenfreada. Eles sustentavam que o povo não deveria transformar o tempo da Quaresma numa espécie de “obra” que justificasse seus pecados. Por isso não fazia sentido esbaldar-se durante aqueles três dias. Eles estavam certos. A justificação era e ainda é gratuita, gerada pela fé somente.

Eu – O que representa, então, o ato de jejuar?

Jesus: O ato de jejuar é um preparo para o encontro com Deus. No tempo em que eu estive com vocês, jejuava-se e orava-se geralmente de um a três dias. Lembro que bati pesado nos fariseus, que relegaram a prática do jejum a um tradicionalismo vazio. Gente! Festejem a esperança de que um dia tudo será novo e diferente. Saibam que meu Pai odeia “leis duras” e “liberdades extrapoladas”. Para Ele a “lei fria” fala demais do jejum e da falta de alegria entre a cristandade. Isso diminui e estreita a proposta de liberdade e grandeza que sonhamos para vocês. Já a “liberdade ilimitada” extrapola tudo isso. Quer dizer, os dois excessos são ruins. É no caminho do meio que estão a liberdade, a alegria e a esperança para as pessoas que têm pesos sobre os ombros.

Eu – Isso ajuda a pessoa a encontrar equilíbrio? Pode contribuir para aumentar a fé?

Jesus: Quem jejua se abstêm de comidas e, assim, concentra-se naquilo que é importante, naquilo que o Espírito de Deus quer falar. Um, dois ou três dias de jejum podem ser de grande ajuda, sim. Enquanto estiverem em jejum, não tentem parecer indivíduos altamente espiritualizados. Meu Pai tem verdadeiro prazer em corações que sabem e que querem escutar o que Ele tem a dizer. Só isso. Ah! Outro detalhe: procurem afastar-se dos maus desejos (Gálatas 5.16-26). Se vocês derem luz verde a eles, cedo ou tarde eles se converterão em dependência.

Eu – Isso ainda tem sentido nos dias de hoje?

Jesus: No tempo da Quaresma, reflitam sobre a vida de vocês. Abstenham-se de gastar tanto tempo em frente da televisão, diante do computador. Leiam mais livros, dominem a apatia que se instala nos lares de vocês. Busquem a comunhão com os irmãos da Comunidade. Costumes estranhos, desejos mais fortes do que a própria vontade devem ser auto-avaliados, esclarecidos e colocados de lado, mesmo que tal decisão seja pesada de ser tomada. Tentem detectar onde vocês têm “atado” o seu coração. Se ele estiver amarrado em coisas sem valor verdadeiro, eu não terei meu espaço nele. Para terminar, desconsiderem todos os tipos de jejuns que abafam a alegria que o Evangelho veio trazer. Vivam este momento novo comigo!