Busque Saber

26.12.08

Recortes de Memória III!

Eu trabalhava numa oficina mecânica de fundo de quintal. Iniciava minha jornada nas manhãs de segundas-feira e encerrava-as 12.00h de sábado. Tomava banho, almoçava e lá ia eu articular, conviver com todas aquelas amigas e todos aqueles amigos granjeados nos encontros de Juventude Evangélica. Voltava para casa tarde da noite, aos domingos. Aquele movimento me fazia muitíssimo bem. Eu crescia dentro do grupo a partir da participação em Congressos Distritais e Regionais e com base num sem número de Retiros Espirituais. Tudo era muito dinâmico e eu logo fui pegando gosto pelas coisas da Igreja. O tempo corria.

Ao mesmo tempo, dentro de mim cresciam sempre mais pontos de interrogação. Os hormônios estavam a flor da pele. Será que a oficina mecânica era verdadeiramente aquilo que eu queria para a minha vida. Havia meninas jogando seu charme para mim, enquanto assistia as aulas diurnas e, depois, noturnas do Colégio Estadual Ernesto Alves de Oliveira. Aqui e ali, íamos aos bailes interioranos para dançar com as meninas da Linha Santa Cruz. Num e noutro momento alguém me "espetava" com a pseudo-informação de que "dançar" e "jogar bola" era pecado. Quanta confusão na minha cabeça. Sim! Eu também tinha a possibilidade de namorar meninas ligadas à JE, mas quem? Por outro lado, sentia-me diminuido por ter mexer com gasolina, com graxa. Hoje tenho clareza que minha auto-estima era baixíssima.

Certo sábado, depois de voltar de uma das minhas viagens a Candelária, chefuei em cima do laço numa das nossas reuniões que aconteciam aos sábados. De cara, vi uma menina novata, loira, olhos verdes, falante e cheia de sotaque gauchesco. Fui me encantando no meio das minhas crises. Eu queria mas também não queria compromisso. De repente a minha história passou a ficar embaralhada, muito complicada, totalmente misturada. Eu precisava tomar decisões particulares. Fora de Santa Cruz do Sul havia um mundo a ser descoberto. Já na Capital do Fumo a vida ia seguindo seu ritmo...

17.12.08

Feliz Natal e Bom Ano de 2009!

Gente querida!

Maria e José - duas pessoas muito diferentes entre si, mas com algo em comum: Um anjo de Deus falou-lhes para que “não tivessem medo”!

Maria assusta-se com a informação de que vai gerar o Filho de Deus! Ela é inexperiente, filha de gente muito simples. Como irá assumir tão grande compromisso? O que é que o seu noivo irá dizer daquela situação inusitada? O compromisso parece ser pesado demais para ela carregar... José se desespera. Sua noiva espera um filho que não é seu. O que fazer? Como administrar os comentários preconceituosos das pessoas? O que é que sua amada aprontou? Não! Ele não consegue compreender direito tudo aquilo que está acontecendo...

Duas situações dificílimas! De repente, tudo muda de figura. O anjo diz: - Não tenham medo! Deus está com vocês! Ele não deixará vocês na mão. Ele não permitirá que o medo tome conta de suas vidas. Ele acompanhará vocês nos seus caminhos. Boas palavras para nós e também para vocês, com certeza!

Eis a mensagem que a Valmi e eu pensamos para repartir. Feliz Natal e um Bom Ano de 2009. Que possamos viver sem medo a vida que Deus nos pensou!

16.12.08

Recortes de Memória II!


Havia alegria no ar por causa daqueles encontros inusitados em Novo Hamburgo. Eram pessoas de todos os lugares. Gente com lindos sorrisos confiantes iluminando o rosto. Corria de boca em boca que o pastor Aamot era americano e que tinha uma equipe de homens aos quais chamava de discípulos. O número um deles era um tal de Carlos. Vi-o caminhando por entre as pessoas com sua maleta 007. Também tive o privilégio de ver os papéis que estavam dentro da mesma. Tudo estava caracterizado como sendo de suma importância. Os palestrantes tinham palavra boa, compreensível até para nós, moradores do Vale do Rio Pardo. Ainda lembro do título de uma palestra que estava sendo proferida pelo jovem pastor Arzemiro: O mundo do Zé!

As meninas que circulavam pelos corredores eram lindas e todo mundo ia movido por objetivos concretos, durante aquele encontro. Conheci muitas pessoas com as quais, mais tarde, ainda faria grandes amizades. Dialoguei com o pessoal que compunha o Grupo Terra Nascente. Disseram-me que eu poderia chamar o pastor João de meu bisavô espiritual, uma vez que o mesmo tinha gerado o pastor Sérgio na fé e este, à Neuza. O final de semana transcorreu rapidamente. Lembro que viajamos para casa num dos ônibus amarelos do Expresso Gaúcho. Começava um momento novo para mim. Coisa boa ser querido, ser chamado pelo nome, ser contado dentro de uma organização.

A JESC, Juventude Evangélica de Santa Cruz do Sul, seria o lugar onde iríamos desenvolver os nossos dons e talentos. Foi então que, com as costas aquecidas pelos grupos ECO, decidimos evangelizar, (Pasmem!) as cidades de Venâncio Aires, Vera Cruz e Candelária. Coube-me a última. Semanalmente, aos sábados à tarde, num dos ônibus da Auto-Viação Santa Cruz, dirigia-me até lá. Depois de algumas semanas, acabei montando um Grupo de Estudos Bíblicos na casa da família Steil e a vida sorria...

OLHA SÓ!

  A BAILARINA DE AUSCHWITZ Outro dia, após repartir algumas dificuldades com uma amiga, fui desafiado a ler o livro “A Bailarina de Auschwit...