2.1.11

Com os pés descalços no outono da vida!


Se observarmos bem, vamos nos dar conta que a vida, geralmente, se divide em quatro etapas. Estou vivendo a terceira.

Os primeiros vinte anos nós investimos no crescimento; no amadurecimento; no “garimpo” do espaço na sociedade. Esse momento vai culminando com o abandono da casa do pai e da mãe e aí chega a hora de colocar os pés no mundo; de buscar o amor e viver a vida...

Dos 21 aos 40 nós aplicamos na construção do “status”. Queremos ser reconhecidos como pessoas. Investimos nossa energia na formação da família; procuramos “com unhas e dentes” pelos melhores caminhos; esforçamos-nos para “passarmos a borracha” para apagarmos os resquícios das caminhadas não tão boas...

Aí vem o espaço compreendido entre os anos 41 e 60. Este é o terceiro quarto da nossa vivência e nele estamos encharcados de maturidade; de estabilidade. Quase todos os nossos objetivos foram alcançados e nos encontramos como que solidificados. Nossos vizinhos e parentes nos vêem como pessoas confiáveis, mas estamos lutando conosco mesmos para abdicarmos da companhia das nossas filhas e dos nossos filhos. Aqui e ali ajudamos os mesmos, mas sem muita proximidade...

Por fim vem o último quarto da nossa “passagem”. Alguns ultrapassam os 80. Esse tempo se deixa marcar pelo “ir” das amizades; pelo “vir” das novas gerações; pela postura de agradecimento; pela esperança trabalhada nas fases anteriores; pelo reconhecimento; pela não teimosia; pelo fortalecimento das velhas amizades; pelo entendimento do próprio “apequenamento” e pela bênção de Deus...

Tudo na vida é primavera, verão, outono e inverno. No momento ando descalço sobre as folhas de outono, enquanto o ano de 2011 “engatou sua primeira marcha”.