3.9.12

E QUEM SE IMPORTA COM ISSO?



Palavra interessante! Cada verdade precisa de uma pessoa que a pronuncie. E essa pessoa também precisa ser corajosa a ponto de “subir no telhado” e, de lá, proclamar o que está ardendo dentro do seu coração.

Jesus estimulou os Seus doze discípulos dizendo-lhes: - Olha pessoal! “...o que se vos diz ao ouvido, proclamai-o de sobre os telhados.” (Mateus 10.27b)
 
Na minha família sempre de novo se comenta sobre a história vivida pelo meu sobrinho, o Arthur. Era seu primeiro dia de aula e todas, todos os coleguinhas eram estranhos entre si, mas, ao mesmo tempo, se mostravam curiosos: - Como seriam aqueles primeiros dias de aula? Logo que a sineta bateu, a professora levou a classe a conhecer o prédio e também o pátio do referido colégio. Todas as meninas e todos os meninos analizaram o auditório; o ginásio esportivo e o parque infantil daquele Estabelecimento de Ensino no qual iriam viver bons anos de suas vidas. Feito isso, foram encontrar-se com a Diretora da Escola. Todas as crianças correram na sua direção e claro, foram muito bem recebidas pela mesma.

Logo que a algazarra do primeiro momento terminou, o nosso Arthur se dirigiu à Autoridade Escolar com palavras indignadas. Ele disse: - Cem menos três é igual a noventa e sete, mas isso, não interessa a ninguém!...”

Rimos muito a respeito desta piada, quando de um encontro familiar na casa do meu irmão, em Santana do Livramento. O fato é que, no peito do meu sobrinho “ardia” o desejo de dizer aquilo que disse. Foi por isso que ele tomou coragem e, na primeira oportunidade, proclamou, “aos quatro ventos”, aquela verdade. Nós não podemos saber se o meu sobrinho escolherá a profissão de pregador, mas nos ficou evidente que ele não tem vocação para ficar calado na vida. Ele disse: - “Matemática não interessa a ninguém – nós queremos brincar!”

Essa irreverência do Arthur soou um tanto engraçada no contexto do Ensino Fundamental. No entanto, essa experiência ousada de dizer o que vai no coração nos é um exemplo de como podemos disseminar as verdades cristãs que “queimam” dentro do nosso peito; que nos foram sopradas pelo Espírito Santo nos ouvidos. São muitas as pessoas, e eu me encontro entre elas, que sonham com uma Igreja que mostre mais o seu rosto dentro da sociedadade brasileira. Mas será que a Boa Mensagem que proferimos, que estamos proferindo e que ainda vamos proferir ainda chega às pessoas?

No dia 31 de outubro, Dia da Reforma, nós nos lembramos das mulheres e dos homens que “subiram no telhado”, a fim de proclamar a mensagem libertadora da graça de Deus. Essas pessoas, as assim chamadas “reformadoras”, deram o seu recado ao povo com palavras claras e simples, conforme a vontade que “ardia” nos seus corações: Não somos nós que articulamos a salvação, mas é Deus quem nos fascina; anima-nos e nos conforta nesta tarefa. Foi desta forma que os clamores dos reformadores encontraram guarida nos corações das pessoas. A Boa Mensagem da Salvação que, primeiramente, foi sendo repartida nos corredores das Universidades, veio até às pessoas de “sobre os telhados” das cidades. Foi dessa forma que o mundo acabou conhecendo o Evangelho.

Aquilo que os reformadores fizeram, expor-se sobre o “telhado” e pregar, nós também estamos tentando fazer, mas, para tal, precisamos estar alicerçados numa boa base. Se não existir um bom apoio, então corremos o risco de perdermos o equilíbrio e cair.

A Igreja se auto-examina, se “olha no espelho”, vê quem é e em que ponto está, quando lembra da Reforma. É Deus quem nos apoia; quem nos sustenta; quem nos dá coragem e boa base para espalharmos a Mensagem Daquele que levanta Pessoas com Deficiência; que anima Pessoas Deseperadas; que dá coragem às pessoas que se perceberam  Imperfeitas.  

Sim, são muitas as mulheres e os homens que pregam a Boa Nova de Deus em nosso país e no mundo. São inúmeras as pessoas cristãs que vivem essa Boa Nova, que lhes foi soprada no ouvido, a partir de palavras e atitudes. Quem é que se importa com isso? Certamente todas, de todos nós!