9.4.10

Mãe – veste teu vestido bonito!



Sai incomodado da nossa reunião. Enquanto viajava pelas estradas de Santa Catarina ainda ouvia no fundo do meu ouvido a voz daquele participante que reclamava em alto e bom tom do descaso da nossa IECLB com o tema “comunicação”. Sim, sim, sim... Temos irmãs e irmãos dando tudo de si em prol da “vitrine” do Portal Luteranos. No Jornal Evangélico, no Jornal O Caminho e nas outras tantas publicações paroquiais e sinodais que se multiplicam no nosso território brasileiro também há pessoas engajadas nesse processo, mas isso não basta. Algo precisa ser feito. Ficar na minha ou chamar mamãe pro diálogo?... Daí que decidi tentar “não apenas sofrer a história”.

Ô mãe! Tu sabes que eu gosto de Ti. Todos nós gostamos de Ti. Eu, por exemplo, Te sou muito grato por ter sido parido por Ti, cuidado por Ti, lapidado por Ti. Tu estás sempre tão ocupada com tantos assuntos... Tu te dás conta que minhas irmãzinhas e meus irmãozinhos não ultrapassam o número 715.000. Outro dia o irmãozinho Leandro me passou que representamos menos de 0,5% da população brasileira e que crescemos num ritmo inferior ao do nosso país. Pode isso mãe?

Mãe! Por favor! Por um momento, pára de lavar toda esta roupa. Escuta! Tu não podes continuar te comportando de forma tão amadora. Tinhas rádios AM e FM e até uma gravadora sob teu comando. Ah sei! Foram os meus irmãozinhos que não souberam administrar aqueles projetos a contento? Tu amas a eles como amas a mim e estás deixando pra lá, presenteando teu perdão a eles. Ta bom! Sabe, as vezes carrego a impressão que tentas esquecer o teu passado te ocupando com esta roupa suja. Porque Tu não pões um vestido mais bonito e Te mostras no “mercado”?

Sabe mãe, eu cresci orgulhoso de Ti. Nas Comunidades por onde passei sempre abri o peito apontando pra Ti, pra Tua beleza, pro Teu perfil engajado. Lembras de quando Te cercavas de Secretários de Comunicação? Sete ou oito dos meus maninhos ocuparam esta tarefa. Lembro que eles plantavam notícias nos jornais. Eles doavam a sua vida pra Ti. Tu eras bem mais conhecida na nossa vizinhança. De repente, não sei por que, acabaste com a “festa”. É por que eles estavam saindo caro? Oh mãe! Eu não consigo acreditar que é por que eles conseguiam muito poder com o título que lhes davas...

Vamos lá mãe! Tua liderança vai mudar nos próximos meses. Estou ouvindo ventos de campanha política aqui e ali e Tu aqui, escondida, atrás deste tanque de cimento, debaixo da sombra deste plátano. Noto tuas mãos surradas de tanto esfregar estas “fraldas”. Vamos, tira esse “avental” velho e molhado! Eu Te ajudo a comprar, a instalar uma lavadora. Tens que Te comunicar, dialogar mais com as Tuas lideranças mãe. Para que esse povo que se doa venha a gostar de Ti, sem esperar nada em troca, ele precisa, primeiro, Te conhecer; saber quem Tu és; como Tu és; como Tu pensas...

Se minhas irmãzinhas e meus irmãozinhos crescerem longe de Ti; dos Teus conceitos; das Tuas posições e das Tuas propostas eles também não vão aprender a Te amar; vão crescer marcados por misturas teológicas. Sim, eu sei que Tu sabes do que estou falando. Mãe! Sai daí! Vêm! O mundo está exigindo outra postura de Ti no que tange à Comunicação. Vai! Veste aquele vestido bonito que a dona Teologia Te costurou. Mostra Tua simpatia na rua. Estás tão conservada. Fala do Evangelho, da Boa Nova de Jesus Cristo, com mais ousadia. Investe em recursos para a boa comunicação desta família bonita da qual és, continuas sendo Mãe.

Minha oração pelo Caminho!



Senhor Deus! Estamos olhando pra trás. Faz 25 anos que um vento animador soprou sobre esta região. Era Teu aquele vento que desinstalou lideranças encasteladas nos seus espaços para ousar momento novo; fazer acontecer mais vida e mais alegria a partir da comunicação escrita. Somos-Te gratos por aquelas mulheres e aqueles homens que se permitiram embalar pelo Teu sopro, pelo Teu vento e isso, noite e dia. Foi Tua vontade o surgimento do Caminho, esse canal de luz e amor que ora sempre foi colorido com parágrafos brandos, animadores, consoladores edificadores e ora também sempre foi tinturado com frases críticas, desafiadoras, curadoras. Obrigado por esses 9.125 dias. Obrigado por estas mulheres e estes homens que escreveram; que aclamaram; que decidiram “não sofrer e sim escrever história”. Obrigado pelo consolo que brotou de dentro das páginas deste jornal igrejeiro. Entregamos-Te nas mãos a nossa vida; esta festa; este momento. Consagra-nos; enche-nos de paz física e espiritual; continua a derramar do Teu amor e da Tua alegria sobre nós Senhor... E ouve nossa oração... Pai nosso que estás nos céus...