9.10.06

Cadê a Virada?


Faz um mês que voltei da nossa viagem de estudos no Brasil. De novo, estou trabalhando prá valer, nestes últimos 102 dias que antecedem meu Culto de Despedida do trabalho com Estudantes na „Evangelische Studenten Gemeinde an der LMU“, em Munique. Agora chegou a vez de escrever meu relatório de tudo o que vimos, ouvimos e vivenciamos em terras brasileiras. Interessantíssimas as impressões dos cinco estudantes que comigo viajaram.

A cidade “maravilhosa” do Rio de Janeiro marcou a todos nós. A Dorothea (estudante de Jornalismo), por exemplo, expressou-se por escrito: - “…esse “Terceiro Mundo” deixou-me um tanto triste e, porque não dizer, desesperada até. Porque é que tanta gente precisa morar em favelas? É normal que, ao anoitecer, a gente precisa voltar depressa para casa, a fim de não correr riscos maiores? Como pode que o fato de se ouvir tiros de armas de fogo virou lugar comum nas madrugadas? Como entender uma criança que, com três anos de idade, já incorporou o hábito de se deitar no assoalho, ao ouvir estampidos na vizinhança? Carrego a impressão que o medo faz parte da vida no Brasil. As pessoas até não percebem, mas ele, o medo, tornou-se normal entre elas…“

É duro ler isso – não é mesmo? Agora mesmo li os jornais que informam sobre o primeiro debate dos nossos dois presidenciáveis, ontem à noite, na Rede Bandeirantes. Pelo que entendi foram as agressões e as críticas mútuas sem fim que fizeram a pauta do programa. Parece que estamos longe de viver perspectivas dignas, no que diz respeito à segurança. A tristeza parece mesmo não ter fim… Quando é que vai haver a virada?...

Um comentário:

Evandro Jair Meurer disse...

Renato!
A virada realizamos ela a cada dia... lenta e progressivamente.
Ter contribuido com a acolhida desta bela equipe de estudantes alemães e você é uma contribuição que fazemos para a virada que está acontecendo através de vocês aí e de nós aqui.
Amanhã o Brasil reelege ou ele se Presidente...
O que depender de mim, a virada continurá acontecendo!!!!!!!!!!!1
Um abraço companheiro Renato!
De Evandro