16.2.07

Viva a Espera!


Estou em Florianópolis esperando a liberalização do nosso container. As firmas responsáveis pela nossa mudança da Alemanha ao Brasil não conseguem distrinchar alguns papéis da burocracia internacional e eu, no meio destas duas forças, sinto-me tal como um marisco entre o mar e o rochedo. No meio desta desestruturação, fui ler o autor Robert Levine, do qual aprendi coisas interessantes

Como ele, também sempre entendi que o tempo é dinheiro e que o “ato de esperar” custa caro. Daí que procuro me ocupar com algo durante minha espera que já dura quase dois meses. O referido “ato” me torna mais pobre. As comunidades que esperam pouco são mais ricas e eu aqui, empobrecendo enquanto espero pelas coisas que necessito. O tempo da minha espera se liga intimamente com o valor do “produto” empacotado com tanto carinho. Como todos, também amo o que preciso esperar e o tempo da minha espera só eleva o “valor” do objeto esperado.

Interessante que as pessoas poderosas sempre deixam muito claro quem precisa esperar quanto tempo. Daí porquê nunca é bom chegar-se atrasado a um compromisso qualquer. A “escola da vida” não me deixa dúvidas: quanto mais tempo se espera por algo ou por alguém, tanto maior será o „status“ deste bem ou desta pessoa. Isso mesmo! Esperar implica em respeitar.

Estou um tanto irritado. Sempre foi assim que o dinheiro abriu e ainda abre o espaço para os primeiros lugares em qualquer fila de espera. Eu já gastei muito tempo em filas para poder afirmar que o melhor lugar a ser ocupado nelas é o final. Lá, bem no finzinho, somos mais bem aceitos. Não é assim que as pessoas que podem e que sabem esperar, acabam levando vantagem nas discussões do dia-a-dia? Claro que é! No entanto para “saber esperar” há que se compreender a cultura vivida. Só quem a aprende consegue se dar melhor com o tema que me propuz. Viva a cultura brasileira e, por tabela, a espera!

Nenhum comentário: