11.11.09

Lá vem o dia!


As pessoas dos tempos do Antigo Testamento só podiam chegar perto de Deus a partir da mediação de um sacerdote. A função do pastor era construir pontes entre Deus e as pessoas. Hoje não estamos mais amarrados em formas cerimoniais ou cidades santas para termos acesso a Deus uma vez que a fé em Jesus Cristo nos dá acesso direto e irrestrito ao Criador. Aqui proponho a leitura de Hebreus 10.19-25...

19. Por isso, irmãos, por causa da morte de Jesus na cruz nós temos completa liberdade de entrar no Lugar Santíssimo. 20. Por meio da cortina, isto é, por meio do seu próprio corpo, ele nos abriu um caminho novo e vivo. 21. Nós temos um Grande Sacerdote para dirigir a casa de Deus. 22. Portanto, cheguemos perto de Deus com um coração sincero e uma fé firme, com a consciência limpa das nossas culpas e com o corpo lavado com água pura. 23. Guardemos firmemente a esperança da fé que professamos, pois podemos confiar que Deus cumprirá as suas promessas. 24. Pensemos uns nos outros a fim de ajudarmos todos a terem mais amor e a fazerem o bem. 25. Não abandonemos, como alguns estão fazendo, o costume de assistir às nossas reuniões. Pelo contrário, animemos uns aos outros e ainda mais agora que vocês vêem que o dia está chegando.

É de manhã quando o galo canta. Se porventura ele não cantar, ainda não amanheceu ou aconteceu alguma coisa com o tal galo. Carrego a impressão que algo não vai bem com os “galos e com as galinhas” que vivem no “galinheiro” do meu vizinho. Aquelas aves desaprenderam a perceber a manhã que se aproxima. Elas não saem, alegres, pela portinha do seu pequeno “templo”. Elas não voam de puleiro em puleiro para deixar claro que amanheceu; para acordar-nos e deixar claro que o dia está chegando. A maioria dos galos e das galinhas do meu vizinho fica empoleirada, dormindo, quando é de manhã. As aves do meu vizinho nem se apercebem que o sol já vem dominando a escuridão com sua força quente.

Há alguns galos e algumas galinhas que moram ali no galinheiro perto da minha casa se acordam pela manhã. Mas, ao invés de fazerem algazarra, ocupam-se com a limpeza de suas penas. Para que fazer alarde? Os canários, as rolinhas, as saracuras ali da vizinhança já receberam o dia de braços abertos. E assim, desmotivadas, sem perspectivas, continuam ocupadas consigo mesmos, com suas penas.

Opa, mas também tem alguns galos e algumas galinhas dentro do mesmo galinheiro que percebem muito bem o tempo em que estão vivendo, se é noite ou se é dia. Quando chega a noitinha, observo-as lutando, se bicando pelos melhores lugares no puleiro. Quem entende alguma coisa de galos e de galinhas sabe que este comportamento só acontece na entrada da noite, quando se deseja um bom lugar para dormir, para descansar. Quando no galinheiro se ouve cacarejos, barulho de asas voando é porque veio a noite. Todo colono, ex-colono sabe disso e se deita para descansar sem se preocupar. Ele, o colono, não pode fazer muita coisa.

Puxo esta história do galinheiro do meu vizinho para dentro da nossa Paróquia São Mateus. Quem de nós dorme sono solto não poderá acordar as outras irmãs e os outros irmãos e, por tabela, perderá a visão, a experiência do amanhecer. A cristandade gosta por demais de fomentar briguinhas entre si. Podem ter certeza que estes pequenos desacertos, estes barulhinhos, não vão acordar o mundo. Ele, o mundo, só se diverte com estas briguinhas e depois, bem, deixa prá lá. Gente querida! Não é nossa tarefa dormir ou ficar brigando, de beicinho caído. Jesus Cristo quer que anunciemos o seu dia – o dia em que tudo ficará novamente claro no nosso mundo.