14.12.10

“E agora José!”


Olá amigas!
Olá amigos!

No próximo domingo, dia 19 de dezembro de 2010 nós festejaremos o Quarto Domingo de Advento. No Culto a minha prédica vai ser baseada no texto de Mateus 1.18-25. Se quiserem lê-la; meditar em cima dos conteúdos apresentados; se comunicarem comigo... Fiquem à vontade. Abraços!

Hoje quero falar do carpinteiro José; do marido da Maria; do pai adotivo de Jesus Cristo que viveu momentos difíceis antes do seu casamento. Maria e ele tinham combinado abstenção sexual durante o namoro e o noivado. Que loucura! Maria lhe repassa a informação dada pelo Anjo de Deus: Está grávida. Só faltava essa! Para José os anjos tinham coisas mais importantes a fazer do que visitar jovens mulheres na terra. No seu entendimento os anjos eram assexuados e eternos; não precisavam se relacionar sexualmente para eternizar gerações. Não! Aquele tal Anjo não podia ser o pai da criança plantada no útero da sua Maria. Ah sim! Ela lhe tinha falado do Espírito Santo; que Deus mesmo a engravidara. Mas o que é que a sua futura esposa estava pensando? Deus só falara com profetas até então. Que história era aquela? Comunicar-se com a humanidade através da barriga da sua futura esposa... Isso não tinha cabimento! E se o povo ficasse sabendo daquela gravidez extraconjugal? Os amigos certamente fariam piadinhas do tipo: - Nenezinho prematuro esse – hein José! Os parentes iriam franzir a testa e, certamente, sugerir que ele denunciasse Maria às autoridades competentes. O problema é que daí ela seria apedrejada. Não! Ele não seria tão radical. Opa! Ele poderia se separar da Maria. Moisés tinha permitido dar “carta de divórcio” em casos de infidelidade. Ele iria “dormir uma noite” sobre aquele assunto...

Um homem temente

José acordou assustado com aquela voz que dizia: - José, filho de Davi, não temas receber Maria tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo. Incrível! O Anjo de Deus lhe sugeria que fosse ao encontro da Maria. José estava chocado. Sua mente estava confusa com a informação de que Deus iria fazer acontecer Sua obra salvadora a partir das entranhas daquela que ele tanto amava.

Naqueles tempos o noivado de um casal era entendido como o “primeiro ato” do casamento. O noivo repassava o “dote” ao pai da noiva e se seguiam oito dias de festa nos quais os noivos continuavam a viver separadamente. O casamento se consumava somente no final dos festejos. José deve ter ficado extremamente chocado quando descobriu que sua esposa estava grávida. Para ele estava tudo acabado! Fazer o quê? José só via duas possibilidades: 1- Denunciar Maria aos poderes constituídos, o que significaria a sua morte (Deuteronômio 22.23; João 9.1-11) e ou 2 - Dar “carta de divórcio” à Maria, o que significaria que ela teria que conviver pro resto da vida administrando “vergonha”; dificuldades mil.

É neste momento mais escuro da vida de José que Deus interfere fazendo brilhar esperança. Deus se inclina para José. Se no Antigo Testamento Ele só se comunica em sonhos com ateus para dar ordens, com José Ele faz diferente: Ele lhe explica o milagre daquele nascimento para dentro do contexto que se vive e José entende que Jesus, o Salvador, nascerá do útero da sua mulher (21). O filho que a Maria carrega no seu útero é fruto do Espírito Santo. José compreende Deus porque está atento (24) àquela mensagem que vai contra tudo o que é crível. Ele crê; ele tem sensibilidade para ouvir a voz de Deus.

Havia três possibilidades para José resolver o seu problema: - 1. O apedrejamento da Maria – 2. A “carta de divórcio” e ou – 3. Assumir a “vergonha” da Maria. José descarta as duas primeiras opções e opta pela terceira. Ele vai “sair de fininho” da relação. Agindo assim, como um pai desnaturado age, ele iria carregar a “vergonha” da Maria no próprio corpo; ele iria deixar Maria seguir o seu caminho. Afinal, ninguém sabia que a criança não era dele. Aqui Deus mostra a José um quarto caminho: 4. O caminho da obediência. José tem os ouvidos abertos e ouve a voz de Deus e assim, sem se dar conta, caminha pelos caminhos da fé, mesmo desconhecendo o que ainda vem pela frente. José reage positivamente ao Mandamento de Deus e faz a Sua vontade; se deixa conduzir.

Conclusão

Deus planejou o crescimento de Jesus numa família integrada. José entendeu este recado e adotou o Menino Jesus que, a partir daquele momento da adoção, passava a ser também um descendente de Davi que desse continuidade à bênção. (Salmo 132.11; Jeremias 23.5; 33.15; Romanos 15.12). José assume Jesus como seu filho e assim se torna o pai de direito do Menino Deus. Hoje se diria que José é “um homem que faz”. Ele aceitou a direção de Deus no sentido de levar a cabo a tarefa que lhe foi sugerida e, junto, se tornou “uma só carne” com Maria que, por sua vez, também tinha uma tarefa a cumprir como serva de Deus (Lucas 1.38).

As dúvidas referentes à sua Maria eram infundadas. Ela não tinha lhe mentido. Se Deus tinha criado o céu e a terra, Ele também seria capaz de gerar um Filho daquela forma. Dá para se dizer que o aprendizado de José foi rápido: ele abandou os pensamentos obtusos que carregava dentro do peito e caminhou a caminhada cristã de forma flexível. Ele cuidou da família enquanto fugia para o Egito; preparou-se para o enfrentamento das dificuldades que ainda estavam por vir no estranho Egito; enfrentou o medo que sentia de Herodes – o matador de primogênitos; mostrou-se disposto a optar pelos caminhos que Deus lhe indicava; não se desgastou perguntando sempre de novo pelos porquês.

José foi um exemplo: - Para Deus, ele foi um homem temente que tinha ouvidos abertos para a vontade do seu Senhor. – Para Maria, ele foi um companheiro amoroso e cuidadoso. Para Jesus, ele foi um verdadeiro pai presenteador de segurança em meio aos conflitos e crises que a vida propõe. Sim, José foi um exemplo de fé para todos nós. Amém
.