Busque Saber

31.12.10

Feliz Ano Novo!


Feliz ano novo – essas são as palavras que repartimos, que, ontem e hoje, estamos repartindo uns com os outros. Quando nos desejamos “bom ano novo” estamos “sonhando” que tenhamos um bom início em 2011. É assim que cada ano novo tem a ver com recomeços. Os primeiros dias chegam a ser sedutores porque apontam para a novidade; para o desafio do enfrentamento do que ainda é desconhecido. Do texto de Lucas 2.1-20 que relata sobre o nascimento de Jesus Cristo, destaco o versículo 19: “Maria guardava todas essas coisas no seu coração e pensava muito nelas.”

Nós, no ano novo, colocamos todas as nossas esperanças e medos no colo de Deus – o Senhor do Tempo. O “novo tempo” já começou e nós não sabemos o que vem pela frente. Como será a administração da Dilma Rousseff no Brasil? Como se comportará o P. Inácio Lemke no Sínodo Norte Catarinense? Como se pautará o colega Nestor Friedrich na presidência da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - IECLB? Será que as nossas finanças “andarão em terrenos planos”? E quanto à nossa saúde – será que vai correr tudo bem? E no que diz respeito aos nossos filhos; nossos netos? E, e, e...

Gente querida! Deus veio ao mundo para promover cura; saúde; perspectivas; recomeços dentro do “tempo certo”. Deus é o Senhor da História e o que Ele pensou não pode ser mudado. Gosto demais da palavra do apóstolo Paulo em Gálatas 4.4: “Mas, quando chegou o tempo certo, Deus enviou o seu próprio Filho, que veio como filho de mãe humana e viveu debaixo da lei. ”Todos os nossos recomeços se baseiam neste “tempo certo”; neste início divino. Porque isto é verdade, cabe agradecermos a Deus pelo fato Dele estar conosco desde o primeiro dia.

Agora reflitamos sobre o comportamento da Maria – mãe de Jesus. Essa mulher teve uma atitude de fé que fica muito evidenciada em Lucas 2.19. Leio o mesmo texto numa outra tradução: “Maria, porém, guardava todas estas palavras, meditando-as no coração.” Notem que Maria não entendia tudo o que se passava à sua volta, mas dava de si, se esforçava por entender enquanto refletia e meditava quando das suas “horas tranquilas”. Maria não usava apenas o seu raciocínio para meditar sobre as “Coisas de Deus”. Para tal ela fazia uso do seu coração, a sede de todos os nossos sentimentos e emoções; da vontade e do amor. Maria usava toda a sua força mental para apreciar as “Boas Obras” que Deus tinha trabalhado com tanta maestria. Maria tinha carregado Jesus Cristo nove meses debaixo do seu coração com todo amor e carinho. Agora ela fazia o mesmo, deixando-se preencher de Deus, a partir da visão e da audição. Essa sua nova reflexão não durou apenas nove meses, mas sua vida toda. É claro que esse comportamento promoveu grande sabedoria à Maria.

Como poderemos fazer de 2011 um ano bom? Muitos pensam que a saída é ter mais dinheiro; um melhor emprego; um Plano de Saúde mais completo; e assim por diante... Isso tudo são detalhes que deveríamos classificar como de segundo plano. Em primeiro lugar está a necessidade de nos assenhorarmos de sabedoria. Pessoas que têm sabedoria sabem discernir melhor entre o que é bom e ou é ruim; entre o que se apresenta como claro e ou escuro; entre o que é correto e ou duvidoso. Essa “sabedoria” não cai do céu. Ela também não pode ser aprendida na Escola ou na Universidade. A “sabedoria”, a capacidade de olhar a vida do ponto de vista de Deus, é o resultado de longas reflexões e meditações sobre os principais momentos da História que Paulo nominou como “tempo certo”; como “plenitude do tempo”.

O poeta descreveu esse tipo de meditação; de reflexão testemunhada pela Maria com palavras simples: “Eu quero mergulhar completamente no Seu amor.” Cada um de nós pode fazer isso. Não há necessidade de muito estudo para tal. Sabem o que é verdadeiramente preciso? Um estado de espírito tal como o de Maria – isso é preciso! Lembram da estrofe três do hino número 26 do nosso HPD I (Hinário do Povo de Deus I)? Ali o poeta Paul Gerhardt resume exatamente isso que acabei de dizer: “Contemplo-te em exultação e não me canso disto, detenho-me em meditação, pensando em Ti, ó Cristo! Que a mente viesse a se tornar abismo, e a alma um vasto mar, que assim eu te abrangesse!”

A fé sincera exercitada pela Maria fez dela uma pessoa profunda e sábia. Ela é o nosso modelo neste início de Ano Novo. Miremo-nos no seu exemplo para alcançarmos profundidade e sabedoria em 2011. Não entremos absortos no mesmo, mas carregados da esperança que Deus levará a cabo tudo aquilo que Ele já iniciou conosco. Ele conduzirá a nossa vida a bom termo. Podem ter certeza disso!

17.12.10

E Deus se fez gente...


Oi Pessoal!

No dia 24 de dezembro, às 19h, eu vou celebrar mais um Culto de Natal na Paróquia São Mateus. Trata-se de um Culto Especial - o Culto de Natal. Minha prédica será esta. Boa leitura; boa reflexão; bom Natal!

Quem “sintoniza” sua alma com a Boa Notícia que nos alcança nesta Noite Santa, celebra o Natal como ele verdadeiramente deve ser celebrado. Mesmo em meio a todos os barulhos que nos circundam, tentemos perceber Aquele que vem ao nosso encontro. Silenciemos diante do Menino Jesus. Ele, como nós, também nasceu de mulher; vivenciou os mesmos prazeres e dificuldades que vivenciamos, apesar de ser Filho de Deus. Deus se tornou gente como nós. A luz do Filho de Deus encarnado brilhou para os reis magos; guiou-os para irem ver a Criança; guiou-os para irem e prestar-Lhe Culto. Pois esta mesma luz brilha sobre nós, aqui e agora. Ela também já nos faz sentir o “choque da graça” que oportuniza o brilho inocente desta Criança que já está sob as ameaças da cruz. O texto de Gálatas 4.4-7 nos ajuda nesta reflexão. Ouçamos o que ele escreve à Comunidade dos Gálatas com os “ouvidos” do coração: 4.4 - Mas, quando chegou o tempo certo, Deus enviou o seu próprio Filho, que veio como filho de mãe humana e viveu debaixo da lei 4.5 - para libertar os que estavam debaixo da lei, a fim de que nós pudéssemos nos tornar filhos de Deus. 4.6 - E, para mostrar que vocês são seus filhos, Deus enviou o Espírito do seu Filho ao nosso coração, o Espírito que exclama: “Pai, meu Pai.” 4.7 - Assim vocês não são mais escravos; vocês são filhos. E, já que são filhos, Deus lhes dará tudo o que ele tem para dar aos seus filhos.
Novo Tempo

O texto que acabamos de ler nos faz entender que o Presente que nos foi alcançado por Deus pode ser sentido; vivido. Vocês não ficaram tocados; transformados pelas palavras do apóstolo Paulo que ainda ecoam em nossos corações; aqui neste templo? Carrego o sentimento de não ser mais a mesma pessoa diante da força que vem desta Criança. Estou me sentindo fraco; carente de ajuda. É assim que quando abrimos o nosso coração à Palavra de Deus, acabamos tocados pela verdade de que Deus nos quer como filhos; como filhos que confiam Nele; como filhos que esperam tudo Dele; como filhos que experimentem da Sua segurança; como filhos que O amem como se ama uma mãe, uma avó, um pai, e um avô.

Com Jesus nasceu um “novo tempo”. Deus deu um grande passo em nossa direção quando se fez homem como nós na pessoa de Jesus de Nazaré. Este ato trouxe e ainda traz conseqüências na nossa relação com Deus. Nós fazemos parte do Projeto de Amor de Deus. Somos filhas e filhos de Deus com o direito de herdar o Reino de Deus, tal como o Menino da Mangedora herdou. Sinto-me um tanto tímido em dizer isso, mas sem dúvida é um grande presente esse que Deus nos dá nesta noite de Natal. Jesus, nosso irmão, nos mostra que a vida pode ser bem sucedida. Como irmãos que somos, temos o compromisso mútuo de trazermos a Glória de Deus a face da terra a partir da nossa ação; do nosso testemunho; do nosso engajamento; do reflexo da luz que brilha em nós.

É Véspera de Natal! Imagino que lá fora e que também aqui dentro ainda se chorem lágrimas solidão; de desamparo; de tristeza e de dor. Gente querida! Ainda não chegou o momento do próprio Deus enxugar todas as lágrimas – conforme a promessa. Deus se fez gente para estar com a gente; para, contextualizado, estar do nosso lado. Mais do que isso: Ele nos aceita como somos. Seu amor não está sujeito a condições; é absoluto. Nós sempre podemos voltar a Ele, mesmo que tenhamos nos afastado Dele. Claro que ninguém de nós é obrigado a aceitar este Presente, mas eu chamo a atenção: Jesus Cristo é o Maior Presente que podemos imaginar e creio que nos cabe valorizá-lo, sim.

Conclusão

Onde podemos encontrar esse Deus? Aqui entre nós! Deus nos procura entre os entristecidos e cansados; entre os que sentem medo e desprezo; entre os que estão sob pressão e os não sabem mais como andar adiante. Deus nos indica o caminho do amor e hoje, especialmente hoje, nesta Noite de Natal, esse caminho nos leva à libertação de todos os constrangimentos e opressões. Deus nos mostrou esse caminho no nosso irmão Jesus Cristo que nos dá forças para vivermos uma vida marcada pela liberdade; para ousarmos ir em busca de uma vida digna; para experimentarmos um “Feliz Natal”.

Nós somos filhos de Deus e essa é a herança que Ele nos dá: Não estamos mais sujeitos aos regulamentos e às restrições que o mundo usa para nos escravisar. Somos livres para presentearmos cada vez mais do nosso tempo; das nossas esperanças; das nossas alegrias e de nós mesmos àqueles que caminham conosco. É pautados nesta proposta de vida que queremos olhar para o Menino Jesus. Nele reside o “mistério” da Vida Eterna que carregamos em nós. Deixemos nos levar por este momento e, partir Dele, olhemos com liberdade para o Menino Jesus que nos traz a “Boa Nova do Natal” nos nossos corações.

14.12.10

“E agora José!”


Olá amigas!
Olá amigos!

No próximo domingo, dia 19 de dezembro de 2010 nós festejaremos o Quarto Domingo de Advento. No Culto a minha prédica vai ser baseada no texto de Mateus 1.18-25. Se quiserem lê-la; meditar em cima dos conteúdos apresentados; se comunicarem comigo... Fiquem à vontade. Abraços!

Hoje quero falar do carpinteiro José; do marido da Maria; do pai adotivo de Jesus Cristo que viveu momentos difíceis antes do seu casamento. Maria e ele tinham combinado abstenção sexual durante o namoro e o noivado. Que loucura! Maria lhe repassa a informação dada pelo Anjo de Deus: Está grávida. Só faltava essa! Para José os anjos tinham coisas mais importantes a fazer do que visitar jovens mulheres na terra. No seu entendimento os anjos eram assexuados e eternos; não precisavam se relacionar sexualmente para eternizar gerações. Não! Aquele tal Anjo não podia ser o pai da criança plantada no útero da sua Maria. Ah sim! Ela lhe tinha falado do Espírito Santo; que Deus mesmo a engravidara. Mas o que é que a sua futura esposa estava pensando? Deus só falara com profetas até então. Que história era aquela? Comunicar-se com a humanidade através da barriga da sua futura esposa... Isso não tinha cabimento! E se o povo ficasse sabendo daquela gravidez extraconjugal? Os amigos certamente fariam piadinhas do tipo: - Nenezinho prematuro esse – hein José! Os parentes iriam franzir a testa e, certamente, sugerir que ele denunciasse Maria às autoridades competentes. O problema é que daí ela seria apedrejada. Não! Ele não seria tão radical. Opa! Ele poderia se separar da Maria. Moisés tinha permitido dar “carta de divórcio” em casos de infidelidade. Ele iria “dormir uma noite” sobre aquele assunto...

Um homem temente

José acordou assustado com aquela voz que dizia: - José, filho de Davi, não temas receber Maria tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo. Incrível! O Anjo de Deus lhe sugeria que fosse ao encontro da Maria. José estava chocado. Sua mente estava confusa com a informação de que Deus iria fazer acontecer Sua obra salvadora a partir das entranhas daquela que ele tanto amava.

Naqueles tempos o noivado de um casal era entendido como o “primeiro ato” do casamento. O noivo repassava o “dote” ao pai da noiva e se seguiam oito dias de festa nos quais os noivos continuavam a viver separadamente. O casamento se consumava somente no final dos festejos. José deve ter ficado extremamente chocado quando descobriu que sua esposa estava grávida. Para ele estava tudo acabado! Fazer o quê? José só via duas possibilidades: 1- Denunciar Maria aos poderes constituídos, o que significaria a sua morte (Deuteronômio 22.23; João 9.1-11) e ou 2 - Dar “carta de divórcio” à Maria, o que significaria que ela teria que conviver pro resto da vida administrando “vergonha”; dificuldades mil.

É neste momento mais escuro da vida de José que Deus interfere fazendo brilhar esperança. Deus se inclina para José. Se no Antigo Testamento Ele só se comunica em sonhos com ateus para dar ordens, com José Ele faz diferente: Ele lhe explica o milagre daquele nascimento para dentro do contexto que se vive e José entende que Jesus, o Salvador, nascerá do útero da sua mulher (21). O filho que a Maria carrega no seu útero é fruto do Espírito Santo. José compreende Deus porque está atento (24) àquela mensagem que vai contra tudo o que é crível. Ele crê; ele tem sensibilidade para ouvir a voz de Deus.

Havia três possibilidades para José resolver o seu problema: - 1. O apedrejamento da Maria – 2. A “carta de divórcio” e ou – 3. Assumir a “vergonha” da Maria. José descarta as duas primeiras opções e opta pela terceira. Ele vai “sair de fininho” da relação. Agindo assim, como um pai desnaturado age, ele iria carregar a “vergonha” da Maria no próprio corpo; ele iria deixar Maria seguir o seu caminho. Afinal, ninguém sabia que a criança não era dele. Aqui Deus mostra a José um quarto caminho: 4. O caminho da obediência. José tem os ouvidos abertos e ouve a voz de Deus e assim, sem se dar conta, caminha pelos caminhos da fé, mesmo desconhecendo o que ainda vem pela frente. José reage positivamente ao Mandamento de Deus e faz a Sua vontade; se deixa conduzir.

Conclusão

Deus planejou o crescimento de Jesus numa família integrada. José entendeu este recado e adotou o Menino Jesus que, a partir daquele momento da adoção, passava a ser também um descendente de Davi que desse continuidade à bênção. (Salmo 132.11; Jeremias 23.5; 33.15; Romanos 15.12). José assume Jesus como seu filho e assim se torna o pai de direito do Menino Deus. Hoje se diria que José é “um homem que faz”. Ele aceitou a direção de Deus no sentido de levar a cabo a tarefa que lhe foi sugerida e, junto, se tornou “uma só carne” com Maria que, por sua vez, também tinha uma tarefa a cumprir como serva de Deus (Lucas 1.38).

As dúvidas referentes à sua Maria eram infundadas. Ela não tinha lhe mentido. Se Deus tinha criado o céu e a terra, Ele também seria capaz de gerar um Filho daquela forma. Dá para se dizer que o aprendizado de José foi rápido: ele abandou os pensamentos obtusos que carregava dentro do peito e caminhou a caminhada cristã de forma flexível. Ele cuidou da família enquanto fugia para o Egito; preparou-se para o enfrentamento das dificuldades que ainda estavam por vir no estranho Egito; enfrentou o medo que sentia de Herodes – o matador de primogênitos; mostrou-se disposto a optar pelos caminhos que Deus lhe indicava; não se desgastou perguntando sempre de novo pelos porquês.

José foi um exemplo: - Para Deus, ele foi um homem temente que tinha ouvidos abertos para a vontade do seu Senhor. – Para Maria, ele foi um companheiro amoroso e cuidadoso. Para Jesus, ele foi um verdadeiro pai presenteador de segurança em meio aos conflitos e crises que a vida propõe. Sim, José foi um exemplo de fé para todos nós. Amém
.

7.12.10

Tempo de Advento Cristão!


De um lado o Advento é o tempo de preparo para os festejos do nascimento de Jesus Cristo que nos foi enviado por Deus há dois mil anos. Por outro lado este tempo é oportuno para olharmos além do horizonte; para erguermos as nossas cabeças; para esperarmos o Filho de Deus que virá até nós uma segunda vez – conforme a promessa.

A Igreja não tem força para combater todo o comércio que enreda o tempo de Advento. Daí que uma coisa precisa ser dita: O Advento não é isso que se propagandeia na mídia; ele é mais.

No Advento temos a chance de avaliarmos a nossa vida; de tentamos melhorar os aspectos da nossa existência; de nos preparamos para receber o Filho de Deus que vem. Assim, vejo a Coroa de Advento e o pinheirinho enfeitado como bons símbolos a nos auxiliar na compreensão desse momento que vivemos.

Deus vem ser luz que se mostra na chama de uma vela. O verde da coroa e da árvore de Natal comunicam esperança. O corte destes dos ramos e da própria árvore apontam para a cruz. As cores das bolas que estão penduradas também carregam significados. Enfim, que todos possamos experimentar este Tempo de Advento Cristão.

Kaká e Caroline


Segundo notas publicadas na imprensa (Jornal “O Dia” – 05 de dezembro), o jogador Kaká e sua esposa Caroline romperam com a Igreja Renascer. A razão deste rompimento se deve ao fato de que o casal não estava mais satisfeito com a administração dada aos dinheiros arrecadados. A Instituição religiosa confirmou o desligamento destes dois membros ilustres, mas sem apontar motivos.

Segundo reportagem publicada na revista “Veja”, a ruptura já teria ocorrido em agosto de 2010. Caroline declarou que “Seu tempo na Igreja Renascer tinha acabado e que, a partir daquele momento, sua busca constante seria somente por Deus”.

Os motivos oficiais não foram explicados, mas supõe-se que houvesse discordância entre o casal e a administração da igreja, cujos líderes, Estevam Hernandes e sua mulher, Sonia, foram presos em Miami, em 2007, com US$ 50 mil não declarados, com parte do valor escondido em uma Bíblia. Segundo a reportagem de “O Dia”, em 2009 Kaká teria contribuído com pelo menos US$ 1,4 milhão de dízimo para a referida igreja.

Se isso é verdade, bato palmas. No entanto eu desconfio que, em breve, teremos uma nova Igreja; uma nova “liderança” eclesiástica; uma nova leva de gente buscando “razão para viver” em pessoas famosas, mas não em Jesus Cristo que optou pelos caminhos da cruz. Tempos difíceis.

3.12.10

Alcides Jucksch


Ontem à noite abri minha caixa de e-mails e fiquei sabendo que o missionário de quase cem anos está muito doente. Desliguei o computador e remeti meus pensamentos para o ano de 1960, em Tenente Portela (RS).

Na época eu tinha cinco anos de idade e meu pai articulava um emprego político na Reserva Indígena Kaingang. O pastor Norberto Schwantes nos visitava toda semana. Ele, auxiliado pelo “seo” Darci, levava turistas alemães para conhecer, “in loco”, aquela população indígena e seus costumes. Foi daquelas relações que nasceu o trabalho da IECLB com o povo kaingang no Toldo Guarita (RS).

Pois o pastor Alcides Jucksch estava lá quando este “trabalho missionário” começou. Eu, no colo do meu avô, vi um sem-número de kainganges assistindo a sua evangelização em Língua Alemã (pasmem). Ainda me lembro do filme que ele passou na tela (um lençol de casal engomado da minha mãe) sobre a vida e a morte de Jesus. Havia silêncio e emoção na sala quando da crucificação do Filho de Deus. Sim, eu me lembro. Sou testemunha ocular daquele fato.

Dois anos depois, em viagem definitiva para Santa Cruz do Sul (RS), fui participar dos últimos dias da minha bisavó em Ibirubá (RS). Enquanto ela sofria seus derradeiros dias no hospital, eu fazia amigos na vizinhança da família Born. À noite havia momentos de Evangelização no templo da IECLB e lá íamos nós dois, a minha avó e eu. O missionário tinha um copo cheio d´água no púlpito e convidava para que as pessoas viessem beber da “água da vida”. Eu estava com sede e fui... Incrível! Eu entendia aquela palavra que “mexia” comigo.

No final dos anos setenta eu, ainda estudante, trabalhava em Sapiranga (RS). Um dia encontrei o missionário no gabinete dentário do dentista Hoch. Fomos apresentados um ao outro. Para ele eu era um estranho. Já para mim o pastor Alcides era um ídolo. Imagino que milhares fizeram a minha experiência. O tempo foi passando e um dia me caiu na mão o seu livro “Amor sem fronteiras”. Já na Alemanha me assenhorei do seu conteúdo na Língua Alemã.

Faz dois meses que tive privilégio de ler um documento que “salvei” numa das minhas pastas. Nele o pastor Alcides se posiciona de forma muito clara sobre as idéias “alienígenas” que invadem o seio da nossa Igreja Brasileira para, com intuitos escusos, achincalhar a evangelização. Curiosos quanto ao documento? Interessantíssimo... Tem conteúdo profético.

Caríssimas Dorothea, Elisabeth e Ruth. Hoje, dia, 03 de dezembro de 2010, estou lembrando de vocês, sentado no meu gabinete, aqui em Joinville (SC). Coisa boa poder olhar para trás e se “orgulhar” de um pai. Abraços!

OLHA SÓ!

  A BAILARINA DE AUSCHWITZ Outro dia, após repartir algumas dificuldades com uma amiga, fui desafiado a ler o livro “A Bailarina de Auschwit...