7.7.12

O boneco Aber



Estávamos de férias e nossos filhos nos visitavam. A sombra da goiabeira estava aprazível, também por causa do chimarrão. Da churrasqueira vinham estímulos que davam água na boca...

- Pois é pai! Então hoje, há 58 anos, tu foste batizado no templo da IECLB de Santa Cruz do Sul (RS)...
- Verdade Daniel! Quem me batizou foi o P. Wilfrid Buchweitz que, na década de 70, seria o meu professor de Teologia Prática na Escola Superior de Teologia, em São Leopoldo (RS).

O Áquila, ouvinte, girava os espetos. Lavou suas mãos, rearticulou a bomba na cuia, olhou com olhar cúmplice para a sua Vanessa e se saiu assim:

- Pai! No Portal da IECLB se lê que Martin Luther “rastejava, todos os dias, de volta ao seu Batismo”. Explica isso!
- Filho, o nosso Reformador não entendia o Batismo como um simples ritual, mas como “o” fato que alimentava sua fé; que moldava sua consciência; que lhe dava força e coragem para viver. Em tempos de luta interior, Luther escreveu com giz sobre a sua escrivaninha: “Eu sou batizado!”
- Interessante - atalhou a Vanessa - quer dizer ele ficava confortado sempre que lia aquela frase.
- Isso mesmo!

O Pedro se aproximou com seu boneco Aber. A Paula lhe deu colo e recolocou a conversa nos eixos.

- Explica melhor sogro!
- O Batismo se vive quando se dá, a cada dia, um novo “sim” a Deus. É na Comunidade que ele se encorpa na vida das pessoas; que se aprende sobre Deus que nos aceita com Seu “sim”; que acontece a reunião das pessoas de todas as idades para falar, ouvir, cantar, orar e adorar a Deus; que floresce a vida cristã, já semeada em nós quando do nosso Batismo.
- Então! Somos pessoas batizadas e, por isso, confortadas e fortalecidas. Façamos festa - disse a Valmi!...

Nenhum comentário: