14.10.12

CREMAÇÃO OU SEPULTAMENTO?


Será que podemos cremar uma pessoa cristã? Pode um cristão permitir-se a cremação? Como fica a questão da ressurreição se de fato somos a criação exclusiva dos “dedos de Deus”? (Salmo 8.4-5) A imagem de Deus pode ser queimada? Sim, essa temática gera muitas perguntas.  

Muitas pessoas defendem o “verdadeiro sepultamento” como aquele que acontece sob alguma camada de terra. A verdade é que todo esse povo que defende essa ou aquela posição, também carrega suas incertezas. Isso é assim porque o tema da “morte” mexe com os nossos sentimentos. Porque isso é assim? Porque nos velórios sempre se percebe pessoas falando de assuntos “nada a ver” com o momento? Porque tanta distância; tanta desinformação a respeito deste tema?

A dor do luto machuca muito àquelas e àqueles que sempre estiveram próximos de quem, de repente, precisa “partir”. Sempre que oficio sepultamentos, percebo perplexidade, profundas perturbações em quem fica. As emoções das pessoas se mostram diferenciadas quando se deita um corpo morto num caixão; quando se o enterra sob a terra; quando se o queima em fornos especiais; quando se recebe a urna contendo as cinzas.  

A morte sempre foi, é e continua sendo um “tabu” (Uma ideia proibida de as pessoas se aprofundarem). Quase todos os indivíduos têm dificuldade para tratar deste tema. O fato é que não podemos controlar a morte. De repente ela vem definitivamente. Dá para se dizer que a morte é o último degrau de entrada na eternidade e o fato de sabermos disso, mexe muito com qualquer um de nós. É em vista disso que sempre tratamos os nossos mortos com extremo respeito.

Quando refletimos sobre o ato do sepultamento, precisamos nos perguntar sobre o que acontece com uma pessoa que falece. Jesus afirma que, num certo dia, a Sua voz se fará ouvir e todos os mortos ressurgirão de seus túmulos para a ressurreição e ou para o juízo. O ato de levantar-se de dentro da tumba é algo irracional; é um jeito poético de se falar do juízo ou da nova vida que vem. Jesus deixa claro que o cristão viverá, mesmo experimentando a morte.

Isso significa que o cristão morrerá; que o corpo voltará ao pó, mas que o espírito permanecerá com Cristo na eternidade. Nas cartas paulinas se explicita que vamos ganhar um corpo novo de presente, quando da ressurreição; que este novo corpo não será parecido com o corpo que carregamos aqui na terra; que o nosso corpo será “deificado”. Ora, essa perspectiva da ressurreição me leva a crer que tanto faz se o nosso corpo se degradar na terra ou no fogo.

Ou seja, ninguém de nós invadirá a eternidade com estes corpos que carregamos e que, por natureza, são marcados por defeitos. Sim, porque no novo Céu e na nova Terra não vão existir as substâncias carne, sangue, terra e cinza (1 Coríntios 15.50-55).

Nenhum comentário: