10.11.12

SERVIÇO BATATA



Outro dia ouvi a expressão: “cristão batatinha”! Confesso que fiquei curioso e, na hora, perguntei ao meu interlocutor:

- O que é isso?

Ele, com sorriso no rosto, respondeu:

- Hoje é assim que as pessoas cristãs se parecem com a batata inglesa. Ela, a batatinha se conserva melhor dentro da terra, onde é o seu lugar. Ali ela se mostra suja, coberta de barro e consegue fazer àquilo que lhes cabe: multiplicar-se! Você já procurou saber o que acontece com as batatinhas que são guardadas dentro de um cesto, em ambientes aquecidos?

- Nunca prestei atenção!

- Pois é! Elas germinam. Elas também criam brotos quando a gente as limpa e as põe dentro de um saco, numa despensa iluminada e aquecida. Ali, com o tempo, elas murcham e se tornam ruins para o consumo. Mais do que isso, elas perdem sabor e, inclusive, na sua casca até se forma um fungo nocivo à nossa saúde.

- Entendi a relação entre as pessoas cristãs e as batatinhas. As pessoas cristãs gostam de se manter aquecidas no seio da Comunidade, dentro de um ambiente agradável e, neste espaço, elas acabam perdendo a condição de cumprir o chamado que Deus lhes fez.

Meu companheiro mostrou-se animado por eu ter entendido sua forma de pensar. Despedimo-nos. Enquanto me dirigia para casa, lembrei-me do texto de João 17.18: “Como Tu Me enviaste ao mundo, também Eu os enviei ao mundo.” O Filho de Deus abdicou da honra de viver na glória, ao lado do Pai. Assim, humilhou-se e, assumindo a forma de homem, veio morar, conviver no nosso meio, bem longe dos templos e das sinagogas. Aliás, Jesus se sentia bem junto com as pessoas. Ele as visitava no seu trabalho. Ele fazia festa com elas. Ele lhes estendia a mão quando as encontrava no caminho.

Desci do carro e já o sino do templo badalou, me deixando claro que era hora do almoço. Enquanto o ouvia me dei conta do nosso grande desafio como Igreja hoje: Sujarmo-nos novamente com a “terra”; "ir ao encontro das pessoas lá onde elas estão" - como sugeriu o cantor Milton Nascimento. A probabilidade de que as pessoas visitadas nos perguntem como se pode chegar mais perto de Deus é baixa.

Nestes tempos está sendo assim que as pessoas, de um modo geral, se desassociaram da Igreja. Vai daí elas precisarão “ler” na nossa vida como é libertador; saudável e revigorante a vivência com Deus na Comunidade. Ações deste tipo não apenas fortalecerão a Comunidade, mas também as pessoas que a articulam no meio da sociedade.

Neste momento pensei nas crianças que não tem mais participado com tanta regularidade da vida comunitária por causa de afazeres outros; lembrei-me dos adolescentes “afogados” em compromissos diferentes e entendi que era hora de repensar atitudes: Ir onde o povo está. 

De repente, poderíamos fazer uma parceria com as escolas municipais que nos circundam geograficamente. E se desenvolvêssemos uma proposta esportiva no bairro onde estamos fincados? Até prova em contrário, projetos deste tipo sempre atraem crianças e adolescentes. O importante é que este nosso trabalho seja um verdadeiro “serviço batata”!

Era hora de almoçar. Fiz um purê de batatas! Hummm...

Nenhum comentário: