Busque Saber

28.8.12

MAS LIVRA-NOS DO MAL - Mateus 6.13


Vamos combinar que o mundo seria maravilhoso, um lugar fantástico para se viver se não fosse o mal. Não é segredo de ninguém que o mal sempre gera ódio, violência, guerra, opressão e pobreza. Todo mundo sabe que ao longo dos séculos, as pessoas sempre tentaram promover a paz e a justiça. A Bíblia está repleta de relatos a respeito de impulsos que intentavam esta mesma busca, esta mesma esperança. Na História Geral sempre foi assim que todas as Denominações sempre pediram a Deus: “Senhor, livra-nos do mal...”

O problema é que o mundo real em que vivemos tem outra natureza. Todos os dias os nossos nossos meios de comunicação anunciam eventos ruins. É praticamente impossível escapar-se da inundação contínua de mensagens violentas sobre os excessos que são praticados na calada da noite e também na luz do dia. Há quem sustente que a História deveria ser escrita sob a perspectiva da guerra que, querendo ou não, sempre acaba gerando mais ou menos progresso. Hoje, na Líbia, há um governo ditatorial que guerreia contra seu próprio povo. Há outros exemplos bem mais próximos de guerras travadas. Estou pensando na favelas do Rio de Janeiro, nas Ruas de Joinville – por exemplo.

Não, ninguém de nós vai negar que existe o mal. Todo mundo sabe as consequências terríveis e destrutivas que o mal pode causar à vida das pessoas. A última petição da Oração do Pai Nosso tem tudo a ver com a vida que vivemos. É por isso que dizemos: “Senhor, liberta-nos do mal...” Notem que esse não é um pedido abstrato; uma petição pelo não derramamento de sangue, apenas. Trata-se, isto sim, de um pedido de preservação da tentação que antecede à prática do mal. Quando a oramos, o mal se torna concreto diante dos nossos olhos; ele perde o seu anonimato; ele nos diz respeito; ele se mostra próximo de nós. A petição “Não nos deixes cair em tentação...” significa que nos cabe resistir ao mal. Ela também nos sugere a possibilidade de que podemos falhar, de que podemos sucumbir à tentação de causarmos o mal. O leitor de jornal que, sentado no sofá da sua sala, lê notícias desagradáveis e, ao lê-las, se dá conta do mal que existe no mundo, só reflete sobre o conteúdo lido. Já as pessoas que oram esta petição se relacionam de forma diferenciada com a realidade do mal. Elas refletem sobre os seus próprios atos. Elas tem consciência de que esse mal pode se avizinhar e, por tabela, levar à tentação, à prática do mal.

São poucas as pessoas que conseguem refletir assim como acabei de sugerir. É estranho que todas as pessoas são sabedoras daquilo que acontece à sua volta. Ninguém tem dúvidas a respeito do poder do mal. No entanto, a maioria das pessoas não reflete sobre as suas próprias atitudes. Nas suas cabeças o mal só diz respeito às outras pessoas, àquelas que se encontram em outros locais, em outros bairros.  De uma forma geral, a mulher e o homem, tem a tendência de se perceberem como pessoas boas; pessoas que vivem de forma diferente; pessoas que são diferentes daquelas cujas más ações os jornais noticiam. Assim elas se comportam como espectadores das outras pessoas que agem com sua maldade no teatro do mundo.

Não é assim. O mundo não está dividido entre o bem e o mal. Também não existe uma clara linha divisória entre as pessoas boas e as más. Cada ser humano, seja ele quem for, está em perigo de fazer o mal; de seguir o mal. Cada uma, cada um de nós pode testemunhar: Lembram daquele momento em que vocês estavam a sós consigo mesmos? Vocês sabiam exatamente o que fazer. Daí então vocês ouviram uma “pequena voz” dentro de si. Vocês não conseguiram resistir àquela sugestão. Recordam daquela disputa em que vocês mesmas, vocês mesmos ficaram com medo de si: como é que eu pude ser tão desagradável, tão mau? Lambram daquele dia em que a raiva às levou, os levou a prejudicar uma pessoa próxima? Quem não recorda da vergonha que sentiu quando fez a retrospectiva de um momento ruim de sua vida? Sim, há momentos que nós gostaríamos de apagar, momentos que nós até sonhamos que outros não tenham percebido.

Sim! São numerosas as tentações de se fazer o mal. As tentações são reais e não é fácil vencê-las. Mesmo que demos o melhor de nós, sempre seremos culpados pelo mal que causamos aos outros. Uma vida impecável, sem falhas e intocada pelo mal não existe. Também os santos foram pessoas, e não super-mulheres, super-homens. Eles também foram apanhados em pecado e culpa; também eles experimentaram dor e sofrimento, sofrimento e dor que também oportunizaram a outros. Escrevo isso porque o experimento na minha vida.

A Bíblia nos ensina que é uma ilusão só ver o que é belo em si e constatar, de forma descuidada, que tudo vai bem – obrigado.  É claro que Deus nos criou para fazermos o bem. É incrível como as pessoas se dão presentes e até se ajudam mutuamente na vida. Nós temos a capacidade de amar o próximo; sermos compassivos e até pacificadores.  Mas há também o mal. O mal é parte da realidade deste mundo e é por isso que a mulher e o homem se encontram todo tempo sob risco. É fácil, mas, ao mesmo tempo, perigosíssimo fechar-se os olhos para esta realidade, fingindo que podemos ser imunes ao mal. Nós não podemos fugir do mal. Nós não podemos ter a certeza de estarmos tomando a decisão certa; de resistirmos ao mal quando vem a tentação. Levantemos as mãos para o céu se assim acontecer.

O fracasso também diz respeito à realidade da vida. Martin Luther entendeu muito bem o apóstolo Paulo, quando percebeu esta “rachadura”; esta “contradição” na vida das pessoas. Ele disse: “Somos pecadores”. Em Romanos 3.22c-24a se lê: “...porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus.”.

Nós somos todas pecadoras, todos pecadores e, por isso, oramos ao nosso Pai do céu “... e não nos deixeis cair em tentação, mas livra-nos do mal.” O fato de termos uma visão realista e sóbria de nós mesmas, de nós mesmos é um sinal da nossa fé em Jesus Cristo. É Ele quem nos mostra que temos necessidade da salvação; que não podemos nos livrar do poder do mal, a partir das nossas próprias forças.

Assim, esta última petição da Oração Pai Nosso nos conduz ao centro da fé. Esta petição é a expressão da esperança que impulsiona nossas vidas cristãs. É a salvação propriamente dita. Cristo morreu e ressuscitou por nós. Na cruz, Ele nos libertou das dependências que nos amarram ao mal da culpa que pesa sobre nós. Jesus fez o caminho da cruz para que nós pudéssemos experimentar a salvação. Se Ele não tivesse agido assim estaríamos perdidas, perdidos. Por quê? Ora, porque nenhuma mulher, nenhum homem tem a capacidade de se auto-justificar. As pessoas que pautam suas vidas na cruz de Cristo não se pautam na vida de outras pessoas. Elas tem consciência de que todas, todos estamos sob a justiça de Deus. Diante de Deus somos todas, todos iguais. Nós confiamos em Deus.

Isso não tem absolutamente nada a ver com o fato de que nós, cristãs e cristãos, nos vejamos como pessoas pequenas – nada disso. Alegramo-nos com a nossa capacidade de amar; com a força que colocamos a serviço de outras pessoas, enquanto carregamos seus fardos, faciltamos suas vidas; com o bem que existe em nós; quando temos a chance de servir. Mas nós não nos colocamos acima dos outros; nós não nos iludimos com as nossas possibilidades e com as nossas limitações; nós não entendemos que fazemos as coisas que fazemos, a partir das nossas forças. Nós colocamos a nossa confiança em Jesus Cristo, que nos aproximou de Deus. Nós temos ciência de que não nos libertaremos, pois ninguém é capaz de fazê-lo. Nós olhamos, isto sim, para Jesus, de quem vem a nossa ajuda, a nossa salvação. E, então, nós percebemos os nossos atos, o bem que somos capazes de fazer e a resistência ao mal como um fruto da salvação.

Paulo diz que os crentes “não se devem deixar vencer pelo mal, mas devem vencer o mal pelo bem”. Com o Filho de Deus também veio um espírito especial ao mundo, um espírito que não se deixa cpaturar pelo círculo vicioso da má ação e pela busca de vingança. O Espírito de Cristo liberta o Seu povo das prisões que sempre de novo causam o mal por si sós. O Espírito Santo nos dá a força para nos colocarmos na situação, na pele dos outros, a assumirmos a perspectiva de quem está do outro lado. Vencer a tentação de só pensar em nós e então fazer o bem.

A salvação começa com a percepção de que, diante de Deus, não estamos em dia com a nossa vida e com as nossas atitudes, mas que confiamos na Sua misericórdia. Confiemos em Jesus Cristo e seremos libertados para quebrarmos a lógica do mal. Este é um fruto da vida pela fé no crucificado e ressuscitado Jesus Cristo. Amém.

21.8.12

AMÉM - Mateus 6.13d


A palavra “amém” sempre de novo aparece no Culto Cristão, às vezes até demais. É possível dizer-se “sim” para tudo? Foi tentando responder a esta pergunta que me aprofundei no conteúdo desta palavra que se costuma dizer no final das orações. Ora, a palavra “amém” é antiga e já percorreu um longo caminho até se fazer presente na nossa linguagem cotidiana. Sabe-se que, na sua origem, a palavra “amém” está para solidez, confiabilidade.

A palavra “amém” quer dizer “sim” e sempre é colocada no final das idéias faladas ou escritas. Erra quem a coloca ninício de um texto ou de uma fala. Vai daí que esta pequena palavra sempre é usada para o fechamento de idéias. Eu ouso afirmar que a palavra “amém” seja uma das mais importantes do nosso Culto Luterano. Dizemo-la na liturgia, na prédica, na confissão de fé, na oração do dia e do Pai Nosso (a mais curta de todas as prédicas), na bênção final. É evidente que estas quatro letras representam bem mais do que um “ponto solene” comprometido com o belo no final das orações. O “amém” sempre diz respeito a uma “resposta final” que se dá a Deus!

Cada palavra, cada detalhe do Culto vem seguido desta “palavrinha”. Se inicia o rerefido Culto “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” e então se diz o “amém!” Todos concordam com um “amém silencioso”, no momento que ouvem o “amém” da boca de quem celebra o Culto. Daí então, nas nossas cabeças “dança” o pensamento: Sim, estamos reunidos em nome de Deus! Por isso, “amém!”  

O Salmo 8 sugere a palavra “amém”, logo após o louvor a Deus. Aliás, os Salmos de Louvor geralmente são encerrados com a palavra “amém”! Na celebração litúrgica oficial da IECLB até canta-se o “amém”. O Credo Apostólico também se encerra com um “amém”. No final da prédica se diz “amém”. Se a pastora ou o pastor a proferem e, logo depois, não se ouvir uma confirmação da Comunidade, este “amém” se deu apenas pela metade. Li outro dia que cabe à “Comunidade dizer o amém”. O Culto que celebramos na Igreja de Confissão Luterana no Brasil concorda com esta posição. Se a Comunidade se alinhou com as palavras que foram proferidas, então ela pode, melhor, ela deve responder com um “amém”; não pode deixar apenas a palavra da pastora ou do pastor reverberando no ar. Há quem diga “amém” de forma automatizada para tudo o que é dito na prédica. Entendo que o nosso “amém” só deve valer para a Boa Notícia do Evangelho que se fez ouvir na prédica; para a Palavra de Deus que traz luz para este ou para aquele detalhe; para a paz de Deus que excede todo o entendimento.

O nosso Culto Cristão tem muito a ver com “respostas”. A estrutura do mesmo nos encaminha a esta conclusão. Fica patente diante dos nossos olhos e dos nossos ouvidos que somos chamadas e chamados a respondermos, a praticarmos respostas. O nosso Reformador Martin Luther diria “amém” à essa nossa conclusão. Era ssim que ele entendia o Culto a Deus onde Deus nos serve com a Sua Palavra e, como resposta, nós O servimos com oração e louvor. Isso mesmo! O Culto que prestamos a Deus é uma resposta.

Como já deixei claro, esta pequena palavra “amém” já é histórica. Sua origem é hebraica. Ela já era usada para “fechar” as orações nas sinagogas e nos templos e isto, antes mesmo do tempo de Jesus Cristo. Jesus a usou no diálogo particular que travou com Seu Pai no Monte das Oliveiras; no jardim do Getsêmani. Ele também ensinou a Oração do Pai Nosso aos Seus discípulos e, nesta oportunidade, não esqueceu de também ensinar o “amém” no final da mesma. O fato é que esta pequena palavra já era verdade pelo menos 1.000 anos antes de Jesus; já brotava da boca dos israelitas nos Salmos e nos textos mais antigos do Antigo Testamento. Proferindo-a, o Povo de Deus testemunhava sua fé, tornava conhecido que esperava o seu Deus. Mais do que isso: dava uma resposta às palavras que tinham ouvido a respeito Dele; que tinha experimentado junto com Ele. O Salmo 72, por exemplo, fecha com as palavras: “Bendito para sempre o Seu glorioso nome, e da sua glória se encha toda a terra. Amém e amém!”

Em suma, a palavra “amém” é uma resposta que já se dá a milhares de anos. É em vista disso que esta pequena palavra nos leva a perguntarmos a respeito do nosso destino. “Que é o homem que dele Te lembres? E o filho do homem, que o visites (que Te importes com ele)?” (Salmo 8.4) Essa pergunta um sujeito já se fez no Salmo 8, quando refletiu sobre o carinho do Criador para com o mundo; para com a Criação; para com suas, seus semelhantes. O indivíduo que fez estas perguntas certamente meditou sobre o fato de que esse mesmo Deus chama Suas criaturas, os seres humanos, de colegas; de companheiros. No Salmo 8.5 se lê: “Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus e de glória e de honra o coroaste...” Isto não é só graça. Deus não fez isso sem segundas intenções. Nós devemos tal compreensão aos salmistas que agradeceram; que responderam a Deus. Há na Bíblia o exemplo de alguém que orou em grande necessidade. Eu tento reiterpretá-lo:  “Se Tu, Deus, não me ajudar agora, então será uma pessoa a menos a Te prestar louvor e a Te dar honra na terra.” Está certo! Deus não pode se colocar de forma indiferente diante de semelhante oração.

Deus criou um mundo de forma maravilhosa, mas mesmo assim precisa de alguém que Lhe desafie; de alguém que Lhe responda; de alguém que O louve; de alguém que pense Nele; de alguém que reflita de fato e de verdade a respeito do Seu querer. Ao dizermos “amém”, deixamos claro que assim é; que assim deve ser. Essa resposta que damos com o “amém” revela toda a história de Deus com o mundo e com as pessoas. A Criação de Deus não ficou parada na Criação. O Senhor Deus, repetidamente, age, dá “empurrões” para que o “amém” que proferimos seja verdade entre nós. O ato de se dizer “amém” em uníssono é uma coisa, mas aquilo que fazemos ou deixamos de fazer depois de proferido o “amém” é outra. 

Em qualquer caso, Deus faz de tudo para que o Seu povo, Israel, e os povos alcançados por Seu Filho Jesus Cristo venham a responder com um “amém”. Com um “sim” que brote de dentro do seu coração. Essa promessa tem validade até os dias de hoje. Está claro que apenas um “amém” não basta. Dizer dez “améns” num Culto, seja na oração ou nos hinos, ainda não nos deixará prontos para o Reino de Deus. O “amém” é uma resposta que precisa ser ensaiada e re-ensaiada durante a nossa vida cristã e isso, sempre de novo. Sempre que dizemos “amém”, estamos dando uma resposta à Boa Nova do Evangelho. Podemos dizer “amém” com os nossos lábios, com as nossas mãos, com os nossos pés e com os nossos corações. O “amém” dito com as mãos nos desafia a doarmo-nos em prol das pessoas famintas; dito com os pés nos impele ao encontro daquelas e daqueles que têm necessidades; dito com o coração nos ajuda a não nos fecharmos para às necessidades das outras pessoas. De onde tirei isso? De Mateus 25.40, onde se lê: “...sempre que o fizestes a (uma destas minhas pequeninas irmãs) um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.” Que assim seja! Amém!”

O que significa ser cristão; crer; esperar; amar e viver? O “amém” é uma resposta a ser dada durante toda a nossa vida. Lá no final, em algum momento, quando tivermos ensaiado bem o “amém”, receberemos outro “amém”, outra boa resposta de Deus. É óbvio que Deus não poderá dizer “amém” para tudo. Mas eu confio, firmemente, que o Seu “amém final” será maior que o nosso “amém”, que o “amém” que somos capazes de dizer no Culto. Amém!

15.8.12

Pastor Suserano


- Oh Júnior! Pelo que eu entendi da tua conversa você disse que a nossa Igreja se assemelha a um “Feudo”... Complicado isso hein?

- Me diga: Porque isso seria “complicado” Mateus?

- Bem, sempre relacionei o “Feudalismo” com a Idade Média e estamos no século 21. Até onde consigo entender, esta ideologia fomentava uma organização política e social que se baseava na relação entre senhores (patrões) e vassalos (serviçais).

- Isso mesmo Mateus. Os “Feudos” se caracterizavam pela produção dos alimentos que seriam consumidos pelos seus moradores – nada mais e nada menos. As terras, o moinho e o castelo eram do domínio do “senhor feudal”. Já a área da produção de subsistência estava sob a competência dos camponeses, dos servos. Nesse esquema cabiam as terras de uso coletivo que comportavam as praças, os rios e também os lagos.  

- Que interessante!

- Não é só isso... Nos “Feudos”, os camponeses eram obrigados a pagar vários impostos ao “Suserano” (Senhor Feudal).

- Verdade? Que tipo de impostos?

- Rapaz, naquela época a vida desses “colonos” não era nada fácil: Tinham que trabalhar gratuitamente por alguns dias da semana pro “chefão”; tinham que pagar uma taxa pelo uso do moinho, do forno e das prensas. No fim das contas até tinham que entregar uma parte do que produziam ao seu senhor. Ah! Tem mais um detalhe. Além de todos estes tributos, os camponeses ainda precisavam pagar o dízimo, ou seja, 10% do seu salário à Igreja.

- Que coisa! Mas, me explica melhor... Como é que você consegue relacionar “Feudo” com Igreja?

- Observa o nosso pastor. Ele é bem formado em Teologia. Ele, com suas falas, constrange um sem número de pessoas para trabalharem em prol da Igreja que pastoreia. Fica lá dentro do seu gabinete e quase não põe o pé na estrada. Quando sai dos seus domínios, é para fazer representação. Elas, as ditas “ovelhas trabalhadoras”, quase sempre reagem positivamente à sua voz de comando.

- É!... Tens razão. Preciso confessar que percebo poucas pessoas críticas na nossa Comunidade...

- Por que isso é assim? Ora, porque o nosso pastor usa muito bem a “Pedagogia do Sagrado”. Como quase ninguém quer se colocar mal diante de Deus, os “vassalos cristãos” acabam fazendo, acriticamente, o que ele, seu “líder espiritual” lhes pede que façam. É desse jeito que o nosso pastor vai se “enfeitando” com o trabalho voluntário para Deus deste nosso povo tão querido.

- Então quer dizer que você vê nos “enfeites” o grande “lucro” do nosso pastor.

- Isso mesmo Mateus! Presta atenção na sua postura corporal; no seu jeito de trabalhar; na impostação da sua voz! Esforça-te! Lê com olhos de ver os assuntos que ele divulga na Igreja. Tenho para mim que sua linha teológica deixa muito a desejar. Parece “samba de uma nota só”, como se cantava numa música antiga. Os assuntos que ele veicula não são de todo abertos, transparentes. Ele não se preocupa muito com a formação das pessoas que comungam na sua Comunidade.

- Júnior, você está dizendo que ele age assim para a manutenção do seu “status quo”?

- Sim! É dessa forma, sem qualquer preocupação com a formação, que ele mantém o “estado atual das coisas” em suas mãos. Claro que os seus “vassalos” continuarão sendo “vassalos” por mais tempo e ele, o “senhor”, poderá continuar “reinando” por mais longos e longos anos, sempre usufruindo as benesses do seu “Feudo Eclesiástico”...

- Vou prestar atenção para ver se tuas palavras conferem Júnior...

OLHA SÓ!

  A BAILARINA DE AUSCHWITZ Outro dia, após repartir algumas dificuldades com uma amiga, fui desafiado a ler o livro “A Bailarina de Auschwit...