Busque Saber

30.8.06

E eu estou Alegre!


Nossa viagem começou em Munique e nossa primeira parada foi Curitiba, onde fomos hospedados na Casa do Estudante Luterano. Os curitibanos nos acolheram muito bem. Os colegas Evandro e Mário, secundados pela sua gente, nos organizaram um excelentíssimo programa. Numa daquelas noites, fui convidado a fazer a pregação quando de um Culto. Fazia tempo que eu não pregava - uns três anos creio eu.

Enquanto cantávamos o hino que nos preparava para ouvirmos a palavra de Deus, parei a pensar: - Será que ainda dou conta deste recado? Parece mentira mas, naquele momento, senti-me sem embocadura para realizar a tarefa. Sempre gostei de repartir textos bíblicos com a Comunidade. Claro que eu estava preparado para fazê-lo. No entanto, ali estava aquele "friozinho na barriga" mexendo comigo.

Oraram pela pregção e, de repente, eu estava atrás do púlpito. As palavras foram me brotando na boca e eu, em contrapartida, me alegrando. Se hoje olho para trás, agradeço a Deus por ter me dado a ousadia de optar pelo estudo da Teologia, lá nos idos inícios dos anos 70. Que prazer indescritível eu pude sentir enquanto repartia com as pessoas, das coisas que Deus me falara quando da minha meditação particular.

Neste momento estou vendo possibilidades de, novamente, atuar como pastor no Brasil. Volto para atuar no seio da IECLB em janeiro de 2007. Venho com o coração mais apertado por causa da sabedoria que empilhei sobre a base outrora construída junto à nossa gente. Venho levado pelo vento. Estou me deixando levar pela brisa que me impulsiona pelas costas - sim senhor! E eu estou alegre...

28.8.06

O perigo ronda no Rio!


Os 21 dias da nossa viagem de estudos passaram. Foi ontem que nos despedimos, ainda no Rio de Janeiro. Agora me encontro no apartamento dos meus filhos, em Florianópolis. Acabei de salvar todas as fotos que cliquei durante a viagem, no computador. Posso dizer que foram três semanas muito intensivas. Nelas tive o privilégio de viver inúmeras experiências. Reencontrei amigas e amigos queridos e claro, vou precisar algum tempo para me acalmar no caminho que ainda penso percorrer.

A violência está a solta no Brasil. A cidade abençoada pelo Cristo Redentor e que sempre foi cantada em verso pelo poeta Tom Jobim vive seu momento mais triste na História - penso eu. Uma das coordenadoras da creche que visitamos em Ipanema contou-nos que, quando se ouve tiros de pistola na favela ao lado, as criancinhas de dois anos de idade, incontinenti, atiram-se ao chão. Vi que, na praia e no calçadão de Copacabana, quase todas as pessoas têm olhos descoloridos pela ansiedade.

Fazer o quê? Nossa saída é ir vivendo dentro da crise. As vezes me pego sonhando com mais qualidade de vida. Me percebo e me leio como um sujeito que ainda não perdeu a esperança. Se o Chile é hoje um dos países latinos percebido como exemplo no mundo e isso, depois de uma história recente extremamente complicada, porque é que nós, brasileiros, não poderemos dar a volta por cima?

Nos próximos dias vou escrever mais um pouco sobre minhas impressões. Coisa boa poder conversar com o Ilmar, o Aron, a Darclê, o Gerson, a Ethel, a Sílvia, o Günter, o Gert, o Mozart, a Erica, o Mário, a Lori, a Dorita, o Benhour, a Dicléia, o Délcio, a Roberto, a Débora, o Luiz, a Ilma, o Cláudio, a Laura, a Priscila, o Evadro, a Susi, a Beti, o Hans, o Martin, o Ricardo, o Marcos e tantas outras e outros que me marcaram e me marcam com suas personalidades.

18.8.06

Eu batizei a Manuela!


Estamos viajando pelo Brasil - a Naemi, a Zoe, a Dorothea, a Che, o Reinhard e eu. Já cruzamos por Curitiba e Porto Alegre. No momento, quando escrevo, estamos visitando Florianópolis. O que nos move na viagem que terminará no Rio de Janeiro, depois de uma passagem por Belo Horizonte, é o tema "O que é pobreza".

Posso testemunhar que foram interessantíssimos os nossos diálogos com os estudantes universitários que fomos encontrando pelo caminho. Sempre de novo me impressiona como nós brasileiros sabemos bem tratar com aos estrangeiros que batem à nossa porta. Ser hospitaleiro é uma virtude que nós, com raras exceções, temos sim senhor.

Na assim chamada cidade mais moderna do Brasil, tive uma experiência muito interessante. No final de um dos cultos do qual participamos e onde fomos apresentados, conversei com uma senhora. Ela logo foi perguntando se eu, a dezenove anos atrás, não tinha celebrado um culto ali, naquela comunidade. Respondi que sim. Ela, animada, voltou a carga perguntando se eu lembrava que tinha realizado um batismo naquele dia. Eu respondi afirmativamente, meneando a cabeça. Ela, com sorriso aberto, logo foi deixando claro: - era minha filha, a Manuela, que aqui está.

Encontrar pessoas queridas... Existe coisa melhor do que ter comunhão com gente que sonha como a gente sonha? Pois penso que não e estou felicíssimo com o momento. Repartirei mais detalhes dessa nossa viagem com moradores da Casa de Estudantes Hugo Maser (Arcisheim) onde, em Munique, também atuo como conselheiro espiritual. Nos próximos dias escreverei mais sobre minhas impressões no e do Brasil com sua gente.

2.8.06

Grande Virada!

A hora dormiu e eu pedi prá descer.
Sentei na cadeira e lá fui escrever.
Eram frases de amor pru’ma flor a nascer.
Que coisa mais linda - não vou esquecer!

Me aquieto encantado e me paro a amar.
Eu sei, amanhã ainda vou namorar.
É a história da gente exposta no altar.
Minha vida inteira num filme a passar…

O tempo acordou, levantar me exortou.
Está entendido, eu não mais sou guri.
Baviera menina me trará saudades,
da grande virada que aqui eu vivi.

A História chamou e vou dar-lhe atenção.
Eu queria parar mas não tinha a razão.
Levantei os meus olhos, só vi coração,
de um doce futuro marcado de unção.

1.8.06

Ricos Momentos!


Régis é o nome do meu irmão. Cuidei dele, quando menino. Naquela época morávamos no interior de Tenente Portela, no norte do Rio Grande do Sul, e nossos pais eram agricultures. Todo dia, à tardinha, lá ia eu passear com meu irmãozinho pelas picadas abertas no meio da mata. Acompanhei a escolha do seu nome e, depois, vi-o crescer nas cidades de Porto Alegre, Esteio e Santa Cruz do Sul.

Estávamos sempre juntos, aprontando contra nossas três irmãs. Depois que fomos morar na Rua São José 750, nossos caminhos se afastaram. Ele deixou crescer o cabelo e se foi prá fora de casa com sua turma. Eu, de cabelo curto, mais conservador, fiquei na minha. E assim, fomos nos separando. Nossa relação foi esfriando, esfriando… Um dia, depois de terem se passado 35 anos, decidi acabar com com aquele silêncio e telefonei-lhe quando do seu aniversário.

Num outro momento, convidei-o a vir visitar-me aqui em Munique. Ele veio com a Ana. Ficaram pouco tempo conosco. Comemos e bebemos juntos. Fizemos um “check up” do nosso passado. Rimos bastante de tudo o que valia a pena ser rido e, no final das contas, robustecemos nosso companheirismo. Ainda ontem recebi um E-Mail seu. Está alegre com o momento que vive.

Alguém um dia me disse que “se conselhos fossem bons a gente os vendia”. Mesmo assim, acredito que minha proposta não seja ruim. Se você estiver longe de alguém que nunca mais esqueceu, dê uma ligadinha. Re-estabeleça laços. A vida é curta para a gente ir jogando fora os ricos momentos que Deus nos deu de mão.

Força ex-guri!


Parece mentira. Eu olho um pouquinho prá trás e me dou conta que a Paula e o Daniel cruzaram por aqui, na semana passada. Logo que voltaram à sua linda cidade, nos ligaram e conversamos pelo telefone. Viveram alguns contratempos com as passagens, mas nada muito grave. Estão alegres, ativos no dia-a-dia, depois das férias.

Conversamos sobre tantas coisas, sentados nas boas cadeiras na sacada do apartamento onde moramos. De lá podíamos ver um pouco do movimento da Türkenstraße (Rua dos Turcos), quase no centro de Munique. Mais uma vez percebi que a vida vai abrindo sorrisos para as pessoas que entram na casa dos 20 e, ao mesmo tempo, vai fechando seu semblante aos que mergulham nos 50. Mas claro, cada momento tem o seu prazer.

Foi bom ouvir os planos daqueles que estão tão próximos ao nosso coração. Eles aprenderam sonhar sonhos de qualidade. Tenho para mim que poder sonhar sonhos bons é um presente que só Deus alcança. Hoje, depois de tantos anos em contato com pessoas, percebo com muita clareza que são mais felizes as pessoas que conseguem sonhar, mesmo dentro das crises.

Lá se foi meu guri! Foi acompanhado para sempre. Ainda abanei com minha mão, depois do controle de suas bagagens, no aeroporto. Ele não percebeu nada disso. Mas no meu abano estavam as bênçaos de um pai que aprendeu a entregar o que tinha de mais caro para o mundo. Força ex-guri!

Vento Frio!


Sou caminheiro, descalço.
Levo-me no pedregulho.
E aí, vazio de orgulho,
É o pé que dói,
Ele sangra e redói.
Já a cabeça eu alço.
Enfrento todo percalço
Do vento frio que me moe.

Vou aventureiro, despido.
Embalado pelo tempo,
E assim, a contento.
Reflito,
Atrito, medito.
Em coração dolorido,
Replanto um vale florido.
Fruto da enxada e do grito.

Paro cordeiro, cansado.
Deito na rede do norte.
Cansa a luta forte,
Tenho asas,
Vi idéias rasas.
Já fui ensimesmado,
Fiz amor entusiasmado.
Revivo, construindo casas.

De mala e cuia!


No momento preparo-me para viajar com 5 estudantes da Ludwig Maximilian Universität Müchen ao Brasil onde, durante 21 dias, nos envolveremos com tema “Mas afinal, o que é pobreza?” Num dos Cultos que visitaremos, pregarei sobre o texto de Gênesis 12.1-4.

Abraão estava com a vida ganha. Tinha fincado raízes em Harã e ali, conhecia os vizinhos pelo nome. Acordava pela manhã e, depois do café, olhava o rebanho. Fazia um ou outro conserto nas dependências da sua tenda e, quando a fome batia, sentava-se para almoçar. Mais tarde um pouco de descanso na rede porque, afinal, "ninguém é de ferro". Um dia Deus lhe disse: "Sai daí desses lados onde moras e vai para um lugar novo que te indicarei…"

Lá Deus abençoou Abraão com terras; um filho e a promessa de que seria uma bênção para todas as gentes do planeta. Atrás de si ficou a parentagem e mais do que isso, todos os costumes. A mando de Deus, “de mala e cuia”, foi fazer outras experiências. Se não tivesse sido secundado pelos irmãos nômades, certamente não teria sobrevivido. Quem mora no deserto, tem o dever de hospedar pessoas em dificuldades.

Interessante notar que as três grandes religiões monoteístas do mundo (Judaica, Cristã e Islâmica) têm suas bases construídas sobre a pessoa de Abraão. Se alguém perguntar o que isso quer dizer para nós, cristãos, esse alguém deveria ler os capítulos 3 da Carta aos Romanos e, depois, os capítulos 3 e 4 da Carta aos Gálatas…

OLHA SÓ!

  A BAILARINA DE AUSCHWITZ Outro dia, após repartir algumas dificuldades com uma amiga, fui desafiado a ler o livro “A Bailarina de Auschwit...