28.8.06

O perigo ronda no Rio!


Os 21 dias da nossa viagem de estudos passaram. Foi ontem que nos despedimos, ainda no Rio de Janeiro. Agora me encontro no apartamento dos meus filhos, em Florianópolis. Acabei de salvar todas as fotos que cliquei durante a viagem, no computador. Posso dizer que foram três semanas muito intensivas. Nelas tive o privilégio de viver inúmeras experiências. Reencontrei amigas e amigos queridos e claro, vou precisar algum tempo para me acalmar no caminho que ainda penso percorrer.

A violência está a solta no Brasil. A cidade abençoada pelo Cristo Redentor e que sempre foi cantada em verso pelo poeta Tom Jobim vive seu momento mais triste na História - penso eu. Uma das coordenadoras da creche que visitamos em Ipanema contou-nos que, quando se ouve tiros de pistola na favela ao lado, as criancinhas de dois anos de idade, incontinenti, atiram-se ao chão. Vi que, na praia e no calçadão de Copacabana, quase todas as pessoas têm olhos descoloridos pela ansiedade.

Fazer o quê? Nossa saída é ir vivendo dentro da crise. As vezes me pego sonhando com mais qualidade de vida. Me percebo e me leio como um sujeito que ainda não perdeu a esperança. Se o Chile é hoje um dos países latinos percebido como exemplo no mundo e isso, depois de uma história recente extremamente complicada, porque é que nós, brasileiros, não poderemos dar a volta por cima?

Nos próximos dias vou escrever mais um pouco sobre minhas impressões. Coisa boa poder conversar com o Ilmar, o Aron, a Darclê, o Gerson, a Ethel, a Sílvia, o Günter, o Gert, o Mozart, a Erica, o Mário, a Lori, a Dorita, o Benhour, a Dicléia, o Délcio, a Roberto, a Débora, o Luiz, a Ilma, o Cláudio, a Laura, a Priscila, o Evadro, a Susi, a Beti, o Hans, o Martin, o Ricardo, o Marcos e tantas outras e outros que me marcaram e me marcam com suas personalidades.