1.4.11

Streuselkuchen


A atendente serviu-me uma fatia de “Streuselkuchen”. A Êlla também estava junto a uma das mesas da “Vila”. Sentei-me com ela para saborearmos uma “média” de café com leite.
– Oi Êlla! Que alegria te ver de novo!
– Oi pastor! Li sua coluna no Caminho.
– O pessoal gostou de saber da tua experiência.
– Minha mãe leu e se preocupou comigo...
– Verdade? Mas o que é esse documento? Tua Certidão de Batismo! Hummm... batizada no 17 de dezembro de 1978...
– É! Minha mãe pediu que eu o guardasse com carinho. Disse-me que a “luz” de Deus brilha sobre mim e que isso já é razão mais do que especial para eu viver alegre e disposta.
– Tua mãe está certíssima. Gostei do versículo bíblico: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue nunca andará na escuridão, mas terá a luz da vida.” Ótimo!
– É pastor... Já meditei muito sobre este verso de João 8.12. A minha fé não é garantia contra as experiências de escuridão que, volta e meia, me atingem.
- Certo! Também as pessoas cristãs podem vir a experimentar tempos de tristeza e dificuldades. No entanto, quem crê em Jesus Cristo tem o privilégio de saber que existe Alguém que é maior do que os problemas a serem enfrentados.
– Sei disso. Hoje já experimento mais da “luz” e do “calor” de Deus.
– Êlla! Lamento. Estou sendo chamado pelo telefone. Continuamos esse “papo” noutra oportunidade. Segue teu caminho. Se precisares da minha ajuda, liga. Continuo torcendo por ti.