1.7.11

Pessimismo!


É sexta-feira e chove; faz frio na nossa Joinville cinzenta. O hinário luterano (HPD 1) está aberto diante de mim. Canto piano o hino n° 98 intitulado “Qual barco singra pelo mar”. O som que emito está destoado da alegria. Com o “rabo do olho” leio que se trata de letra e melodia de Martin Gotthard Schneider (um octogenário nascido em Constança no ano de 1930).

Sempre gostei de cantar. Enquanto canto me vem a sensação de que estamos enfrentando esses “temporais de medo, angústia e dor”; de que não “resistiremos”; de que “afundaremos” diante destas propostas teológicas esdrúxulas que estão sendo copiadas aqui e ali, sem o mínimo de contextualização.

Do jeito que a história está se desenvolvendo o nosso “Barco” (IECLB) não vai chegar ao “alvo prometido”. O nosso problema até não são os ventos fortes que dobram mastros e ou que rasgam velas, mas os “furinhos” que cabeças menos densas insistem em fazer no “casco”.

Sim, estamos desunidos. Os cômodos da nossa “Canoa” têm, todos eles, cores diferenciadas. A verdade é que estamos “mui sós em alto mar”. Eu até já mergulhei para tentar fechar um dos furos que se agranda, mas meu braço é pequeno. Sério! Penso que não chegaremos ao “alvo prometido”. Socorro!