4.7.11

Faz 57 anos!


Hoje, dia 04 de julho, faz 57 anos que eu fui batizado na Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil de Santa Cruz do Sul (RS). Os livros de registro não confirmam, mas ou eu fui batizado pelo Pastor Koch e ou pelo Pastor Wilfried Buchweitz que, que na época, fazia uma espécie de estágio na minha cidade natal. Estou festejando com a Valmi. Encomendamos uma pizza. A taça de vinho tinto seco já está na mão. Saúde!

Atracar o barco é mais do que preciso!


O texto bíblico de Lucas 5.1-11 nos informa que os discípulos tinham dado tudo de si para pescar peixes, mas que se engajaram em vão. Aí vem Jesus e lhes sugere lançar novamente as redes na água. João e Tiago assessoraram Pedro e os discípulos acabam tendo o privilégio de participar de um grande milagre: As redes simplesmenter estavam prestes a se romper, tamanho o número de peixes que nela caíram. Logo depois disso o barco foi trazido para a beira da praia. Os discípulos desceram dele e, deixando tudo para trás, seguiram Jesus. Gente querida! Eu entendo que chegou a hora de nós, CEJ, também trazermos o nosso “barco” até a praia...

A Bíblia deixa claro: Quem quiser seguir Jesus precisa “trazer o seu barco à praia”. Olhem para a estrutura da nossa Igreja com olhos de ver. O nosso “barco” navega em ondas revoltas que nos impelem para a frente e para trás; para cima e para baixo. Alguns dos “tripulantes” estão sentindo enjôo. Ora, Jesus só pode ser seguido em terra firme. O Reino de Deus só cresce a “cem por um” no chão. Será que o nosso “barco” não está carregando o nome fantasia de “passividade”, enquanto navega, anos a fio, tentando realização em meio à inércia? Vocês conferiram se alguém já não pintou o nome ECM (Eu Comigo Mesmo) no casco do nosso “barco”? Olha, esses dias surpreendi um sujeito com um pincel e uma lata de tinta na mão, tentando pintar o nome GIT (Gastança Inútil de Tempo) numa das laterais do mesmo. É incrível, mas são muitas as possibilidades de se nominar; de se batizar o “barco” da nossa Igreja. Todas as nossas Comunidades e Paróquias podem estar perdendo as Bênçãos de Deus, enquanto decidimos ficar navegando sem ancorarmos...

Este texto da “pesca maravilhosa” nos traz boas informações sobre o discipulado; sobre o nosso compromisso com Deus. Uma vez os nossos antepassados se decidiram por Jesus Cristo e foi por isso que nasceu a IECLB. Naqueles dias o nosso povo trouxe o nosso “barco” à terra, porque queria seguir o Filho de Deus, a partir de um testemunho contextualizado... O fato é que sempre de novo nós somos tentados a reembarcar no “barco” para armazenarmos o que foi colhido; nos deliciarmos com o fruto costumeiro. Não! A semeadura precisa continuar. Observem que o “ph” do solo mudou. O clima mudou. As circunstâncias mudaram...

Simão Pedro trouxe o seu barco à praia e só então se concentrou no discipulado. Ele queria sair do lugar comum; “mergulhar” noutras frentes. Foi com esse objetivo em vista que ele deixou tudo para trás. É esse o caminho que nos leva para o Reino de Deus. Primeiro, depositar todas as nossas cargas nos ombros de Jesus e, depois, submeter nossa vida à direção de Deus; crer que tudo contribuirá para o nosso bem. Estamos aqui neste encontro para levarmos o nosso “barco” ao ancoradouro. Desconsideremos o que não é importante e sigamos o caminho abençoado por Deus de mãos dadas com Jesus Cristo. Que caminho é este? Proponho que o descubramos juntos a partir do nosso diálogo. Que Deus nos abençôe!