22.7.11

Vivendo sob Perspectivas!


Sou filho da terra revolvida e sofrida.
Andei no lamaçal e senti cabeças febris.
Vi estúpidos apostando unanimidade ferida.
Olhos opacos, cobertos por películas sem vida.

Quis curar apontando coloridos outros.
Dispensaram-me sob acusações mui hostis.
Visitei tribunais para explicar sonhos loucos.
Vozes timbradas articulavam ouvidos moucos.

Cicatrizes, marcas de experiências doloridas.
Velhos tempos a gerar e cruzar horizontes anis.
E eu, aqui, repromovendo médias e grandes saídas.
Povo, gente, comunidade vivendo sob perspectivas.

Perceba o teu tesouro!


Outro dia recebi um e-mail onde se lia: “Oi pastor! Meu nome é Juliana. Sou católica e congrego na Catedral. Gostei muito das suas palavras quando da comemoração do aniversario da Rádio Cultura. Suas palavras tocaram o meu coração. Acordei para a vida naquele dia... Eu estava entendendo que Jesus tinha se esquecido de mim; que Ele tinha problemas mais importantes com que se preocupar... O senhor disse que eu sou importante para Jesus! Obrigada.”

Senti-me bem com este “feedbeck”. Ele nos ajuda a entender o texto de Mateus 13.44-46: “O Reino do Céu é como um tesouro escondido num campo, que certo homem acha e esconde de novo. Fica tão feliz, que vende tudo o que tem, e depois volta, e compra o campo. O Reino do Céu é também como um comerciante que anda procurando pérolas finas. Quando encontra uma pérola que é mesmo de grande valor, ele vai, vende tudo o que tem e compra a pérola.”

Nossa rotina

Todos os dias a maioria de nós vive uma certa rotina. Temos que levar as nossas crianças para a escola; temos que buscar os nossos netos no colégio; temos que fazer a nossa lição de casa; temos que preparar a comida para o almoço; temos que ir ao trabalho; temos que ligar a máquina; temos que responder e-mails; temos que resolver as questões que se “escondem” na pilha de papéis que estão sobre a nossa escrivaninha... Gente! Tudo isso pode ser muito chato!

Agora, atentem para este detalhe: A Psicologia ensina que a rotina não é de todo ruim; que a rotina carrega algo de bom em si. Por exemplo: Todas as pessoas que são motoristas agem de forma rotineira, quando estão ao volante. Elas não refletem sobre como vão girar a chave para dar a partida no automóvel; elas não ficam pensando em virar o volante para a esquerda ou para a direita, mas simplesmente viram o mesmo para o lado que for necessário. É assim que motoristas experimentados até conseguem se deliciar com a paisagem, enquanto dirigem. Eu, por exemplo, gosto de ouvir rádio enquanto dirijo. O mesmo acontece quando estamos envolvidos com os nossos afazeres do dia a dia. Nós vamos nos desincumbindo dos nossos compromissos e, enquanto isso, até conseguimos fazer outras coisinhas do lado como: dar atenção ao que nossos filhos ou netos nos relatam; ao que o rádio nos informa sobre o que rola no mundo...

E aí, de repente, acontece algo que não esperamos que aconteça, tal como na história bíblica do assalariado que estava lavrando as terras de um fazendeiro. Para ele, aquele dia de trabalho estava sendo comum como todos os outros tinham sido. Ele dominava perfeitamente bem a técnica de arar a terra. Num dado momento aquela rotina foi quebrada. As correntes se esticaram. Os bois pararam por causa do soco seco; do barulho oco que vem da pá afiada. Não! Não se trata de uma pedra, mas de uma caixa. O lavrador se encurva e, com o auxílio das mãos, se dá conta que encontrou um tesouro: Prata? Ouro? Moedas? Não vem ao caso. O tal achado o enche de alegria. A partir daquele momento a sua vida passa a ter um outro sentido. O que antes era importante, perdeu o seu grau de importância. Agora ele pode se desfazer das coisas que antes lhe eram caras. Sim! Tudo aquilo que ele acumulara até ali poderia ser repassado adiante, porque o novo momento vivido estava sendo verdadeiramente impar.

Conclusão

Algo assim pode acontecer conosco se, de uma hora para a outra, Deus se mostrar no meio dos nossos hábitos cotidianos. Nós não estamos percebendo; não estamos esperando absolutamente nada e, de repente, o céu se abre: Uma pessoa nos traz uma boa palavra que é extremamente clara e que nos indica uma boa saída para algum problema; nós tomamos uma decisão importante que há muito deveríamios ter tomado; nós nos encontramos com alguém que nos ajudou a ter confiança na vida; nós descobrimos uma verdade na Palavra de Deus que lançou boa luz sobre a escuridão de um velho problema. Sim, de repente nós também encontramos um “tesouro” no “campo” onde trabalhamos, rotineiramente, desde o dia em que nos entendemos por gente. Agora a nossa vida fica diferente; fica cheia de alegria e satisfação.

Apesar da rotina, prestem atenção às coisas que se passam no dia-a-dia. Quem sabe Deus esteja querendo lhes surpreender!...