2.4.12

Isaías 52.13-53.12 - DEUS SE FAZ VALER NUM SERVO!


Nós planejamos um mundo maravilhoso para nós, para os próximos e também para os não tão achegados. Assim, passo a passo, alicerçados em boas idéias, vamos construindo a nossa vida; buscando ajuda em parcerias. Será que Deus pode nos ajudar nesta empreitada? Para responder esta pergunta quero me ssessorar do texto de Isaías 52.13-53.12...

Deus nos promete que o “Seu Servo será bem sucedido.” Ora, se Deus quer alcançar o Seu objetivo através do Seu Servo, então este Seu Servo precisa ser convincente, forte e vencedor – assim pensamos. Pois os “pideosos israelitas” também pensavam dessa forma.

Agora, quem acreditará naquilo que está sendo proclamado no texto que acabamos de ouvir? O profeta nos apresenta um Salvador com aparência de um fraco. Ele até O descreve parecido com uma “raiz fincada em terra seca”. Quem ouve esta Palavra não percebe nenhuma segurança neste tal Servo. Ele parece ser um “João Ninguém”, despretencioso e pobre. Sua aparência não é boa. Sua estética não nos anima. Quem se apresenta assim já deu o que tinha que dar em níveis políticos. Uma pessoa com este perfil não chama a mínima atenção na sociedade.

E na Igreja – será que alguém Lhe dá ouvidos? Também na Igreja se espera mais de líderes que se apresentem como altivos heróis; se espera pouco de quem se apresenta como um fraco; um sofredor. Por que é que nós somos assim? A definição de “fé” que brota do Catecismo Menor me ajuda aqui. Nele se lê: “Creio que por minha própria razão ou força não posso crer em Jesus Cristo, meu Senhor, nem vir a ele.”

Sim, Um “adoentado” nos trará a salvação. Tal como nós, os crentes israelitas também têm dificuldade de engulir tal informação. Eles, os israelitas, gostavam de se lembrar de José, aquele Pai na Fé de boa aparência, inteligente, bem sucedido e abençoado por Deus. Eles, os israelitas, se orgulhavam do rei Davi, aquele Rei de boa aparência, bem sucedido e bendito de Deus.

Pasmem! Hoje nós somos chamados a crer que um Desprezado nos trará a justiça e a libertação de todas as nossas culpas? O texto sugere que “Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores”. Ora, como é que um homem derrotado pode fazer isso? Como é que um “Aflito”, um “Ferido e oprimido de Deus” pode levar a cabo semelhante tarefa? O quê? Esse Sujeito foi transpassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades?... Está sendo sugerido que “todos nós andávamos desgarrados como ovelhas” e que “um se desviava pelo caminho?” Calma aí! Isso precisa de uma explicação mais bem acabada.

Não é fácil de entender que o nosso Representante diante de Deus seja uma pessoa que sofreu com paciência; que foi morto e sepultado com malfeitores, apesar de Sua inocência. Essa Palavra era muito dura de ser digerida nos tempos do profeta Isaías. Se refletirmos sobre a mesma calçados em nossos sentimentos naturais, chegaremos à mesma conclusão dos israelitas de então: - O Plano de Salvação de Deus parece ser uma loucura. Graças a Deus que, já há muitos séculos, Deus permite que Seus profetas anunciem a salvação da humanidade a partir de conceitos que excedem sua inteligência.

O Hino Cristológico de Filipenses 2.5-11 já nos testemunha que há pessoas cristãs que reconheceram esta verdade há muito tempo atrás. O Credo Apostólico também aponta para esta verdade profética. Jesus Cristo “nasceu” como nunca ninguém nasceu; que Ele “padeceu, foi morto e enterrado” tal como foi predito no Antigo testamento; que o “castigo” repousou sobre Ele para que pudéssemos experimentar a paz – “foi pelas Suas pisaduras que fomos sarados.” Sim, a nossa esperança em Cristo também já foi descrita pelos profetas. O fato é que o “Plano do Senhor nosso Deus” continua prosperando. Ele ainda vai estabelecer a justiça por completo.

Gente querida! Não olhem apenas para o poder externo de uma pessoa ou de uma Comunidade. De repente a sua força maior esteja presente na paciência. O sucesso de um Projeto sempre se mostra ao cabo do mesmo. É incrível – difícil de se entender – inimaginável até, mas Deus se faz valer contra todas as idéias religiosas, desejos e esperanças mundanas na forma de um Servo. Que presente para nós!

Um comentário:

Mayke Kegel disse...

Gostei de sua reflexão. E que bom que a justiça é de Deus e é Ele quem a realiza, assim podemos descansar em sua proteção.