Busque Saber

29.9.06

Põe o feijão de molho!


Interessante os impulsos que vão sendo verdade dentro da cabeça da gente, quando se vive momentos de mudança, de despedida. Ontem, por exemplo, encontrei-me com um grupo de pessoas que se reúne, sistematicamente, para compartilhar temas do dia-a-dia. Fui de metrô até Trudering, um bairro de Munique e lá, na Comunidade da "Friedenskirche", encontrei-me com aquele povo querido.

No nosso círculo havia alegria, um vaso com girassóis, água e amendoins sobre a mesa. Uma das senhoras presentes era brasileira e ex-dancarina de "balet". A outra, com traços bem jovens, estava sentada numa cadeira de rodas, mas bem acarinhada pelo marido. Alguns dos senhores presentes trabalhavam em bancos. Dois deles eram engenheiros. Já suas companheiras eram versadas na área da música. Outras duas senhoras trabalhavam como leigas na Igreja e tinham formação diaconal. A mais idosa conhecia a Bíblia profundamente. Enfim, o clima de comunhão estava gostoso, enquanto íamos nos apresentando, ouvindo e contando nossas histórias.

Tudo na vida tem um preço. Para vir à Alemanha, precisei deixar família e muita gente querida no Brasil. Já a "brasileira" da nossa roda de conversa amava seu marido e, por isso, na época, precisou abdicar de sua carreira artística, já iniciada aos 5 anos de idade. A "cadeirante" do nosso círculo teceu comentários sobre a juventude, sobre a alegria e a liberdade de poder ir e vir, se locomover. O fato é que depois de muito tempo pude sentir de novo, o cheirinho de uma Comunidade. Eu, um dia, cansado, deitei-me na rede do norte e acabei descansando da luta forte. Mas agora estou de pé e, certamente, vou voltar em pé para, novamente, poder ir a pé! Por favor gurias e guris! Botem o feijão de molho que amanhã eu já estou voltando...

25.9.06

Sabores e Dissabores!

Nos últimos meses, tenho procurado fazer caminhadas diárias. Como não tenho problemas articulares nos quadris, pés e joelhos, dou tudo de mim num trecho de 9 km. Antes, durante e depois de caminhar dentro do Englischen Garten, bebo água. Coisa boa poder usufruir de um espaço assim, todo arborizado e não poluído para gastar energias. Sempre de novo fico pasmo quando percebo os riachos deixando transparcer os peixes que ali nadam. Vou em frente e me permito o sombreamento dos carvalhos que crescem a beira do caminho. Eles me ajudam a evitar os efeitos indesejáveis dos raios solares mais fortes. Sigo ao sabor do vento, sempre pisando em piso macio. Minha indumentária é leve e de cor clara. Vou com postura ereta, enquanto retraio meu abdome. E assim, meio que "sem lenço e sem documento", sigo meu rumo sempre mantendo os braços descontraídos e em movimentos rítmicos. Meu alvo é claro: quero aumentar o gasto calórico e a frequência cardíaca do meu corpo.

Tenho prazer neste tempo que dedico a mim. Ontem, durante o trajeto, observei o caule de uma das árvores crescidas, à beira do caminho que percorro. Lá, no tronco da mesma, estava inserida uma data a canivete: 27/06/67. Em junho daquele ano eu estudava em Porto Alegre, no Ginásio da Paz, no Bairro Navegantes. Eu morava em Esteio, de onde, diariamente, me locomovia à capital, sempre embarcados nos ônibus verde-escuros e lotadíssimos da Central. Desembarcava na esquina da Farrapos com a Sertório e ia a pé, ladeando o velho estádio do Renner, enquanto observava meus sapatos pintados de preto sobre a cor marron original. Aquele sujeito deixou sua marca na casca cicatrizada. Ele, na época, devia contar com uns vinte anos de idade. Já hoje, deve beirar os sessenta. Provavelmente tem netos e, ao passar por ali, deve lembrar-se dos dez minutos que precisou para ferir a árvore e marcar um dos momentos de sua vida.

Nunca feri caules com lâminas de aço mas, com certeza, machuquei muita gente quando articulei sons com minha língua. Talvez elas até nem se lembrem mais de mim. Mas eu sei que em seus corpos ficaram as cicatrizes com as quais precisaram e, talvez, ainda precisem conviver. Sei! Além de dissabores também posso ter oportunizado sabores. Assim, envolto nos meus pensamentos, segui adiante. De repente, olhei prá mim e também vi cicatrizes...

21.9.06

Meu time do Coração!



Naquela época eu tinha uns 7 anos de idade e morava na cidadezinha de Tenente Portela, no norte do Rio Grande do Sul. Morávamos no edifício Gislene, onde meu pai alugou um dos dois apartamentos para morarmos como família. Meus irmãos eram pequenos e eu tinha um grande amigo, o Riva. Brincávamos juntos as tardes inteiras e, volta e meia, ouvia seus comentários a respeito do "Grêmio". Aqui lembro de uma leitura recente de Aurelius Augustinus: - "Nur wer selbst brennt, kann Feuer in anderen entfachen." Ou seja, só as pessoas que estão pessoalmente marcadas por algum algum assunto, é que conseguem influenciar outras. O filho do seu Rivadávia, dono do "bolicho" da esquina, ardia de amores pelo Grêmio Football Portoalegrense. E assim, motivado, virei torcedor.

Logo que meus filhos nasceram, comprei-lhes camisetas do tricolor. Morávamos em Cianorte, no interior do Paraná, quando eles dois, em 1983, ainda bem pequeninos, já puderam vibrar duas vezes com a conquista da Libertadores e uma com o Campenato do Mundo, em Tóquio. De lá prá cá quase só alegrias. Volta e meia converso com pessoas próximas de mim, que também torcem pelo Grêmio. Outro dia eu estava hospedado na casa do Luiz e da Ilma, em Porto Alegre. Enquanto saboreávamos um gostoso churrasco, íamos tecendo comentários sobre os nossos gostos; sobre os nossos pontos em comum. Deduzimos que as cores "azul, preto e branco" mexeram conosco desde quando éramos criancinhas. À tarde fomos ver o jogo Grêmio x Paraná. Ganhamos por 2 x 1 e isso de virada. Que festa!

Alemães amigos meus pedem que eu lhes presenteie camisetas do Grêmio. Pergunto-lhes pelo porquê desse desejo e me respondem dizendo que se trata da camiseta mais bonita que conhecem. Me falam da boa combinação das cores e de como ela senta bem no corpo. Fico impressionado com essas falas. Coisa boa é ser gremista. No aspecto que tange ao esporte, posso dizer que sou um sujeito de sorte e sabem porquê? Tanto a Valmi como a namorada do Áquila, a Vanessa, e quanto a noiva do Daniel, a Paula, todo mundo torce pelo multicampeão da Azenha. Acho que meus netos seguirão o mesmo caminho, ah disso não carrego dúvida. O mundo é simplesmente azul...

19.9.06

A Darclê e o Aron!


Lá pelos inícios de agosto deste ano, fui convidado a visitar meus velhos amigos Darclê, Aron e seus dois filhos, em Curitiba! Fui junto com meus hospedeiros Lori e Mário. Para surpresa minha, lá já estavam a Sílvia e o Jairo. Que festa aquele nosso encontro. As muitas experiências comuns que vivemos juntos pareciam querer gritar gritos de alegria, quando dos nossos abraços.

Pois o querido casal nos promoveu momentos de grande festa. Depois de muita comunhão, sentamo-nos à mesa para jantar. A luz que descia do lustre e iluminava nossos rostos, ia preenchendo de vida os espaços que íamos deixando entre as expressões que brotavam dos nossos diálogos. E assim, não fomos vendo o tempo passar.

Quando já era o início da madrugada pensei em me retirar. Mas como retirar-se de um lugar assim, sabendo-se de antemão que, por certo, nos próximos anos, não se haveria de viver momento tão bonito! Fui ficando, ficando, ficando... Quando os galos começaram a cantar, isso lá pelas cinco da manhã, fomos dormir nossas duas horas de sono.

O dia seguinte foi cheio de atividades, como todos os dias tinham sido e continuariam sendo. O cansaço que eu sentia convertia-se, incontinente, em mais energia por causa da lembrança daqueles sorrisos emoldurados sem cor de mentira. Por tudo isso, não canso de afirmar: - sou grato a Deus pelos caminhos calçados de privilégios que ainda experimento.

14.9.06

O amigo Ornélio!


Está fazendo uma semana que visitei meu amigo Ornélio. Nos vimos pela última vez em 1975, quando do seu casamento com a Traudi. Foi interessante o nosso encontro. Eu estava visitando minha mãe em Santa Cruz do Sul e, na minha frente, sobre a mesinha de centro, o guia telefônico da cidade onde eu nasci. Curioso, folheei o mesmo. Depente, em negrito, ali estava o nome do amigo dos tempos de adolescente. Disquei seu número e, duas horas depois, estávamos tomando um gostoso chimarrão, passando a nossa vida em revista.

Interessante a vida. Naqueles tempos de 1970, ele e eu estávamos querendo mudar de rumo. Tínhamos nossa mente voltada para Porto Alegre, onde tencionávamos escrever uma nova hitória. Sim, lá iríamos dar jeito num quarto com cozinha e, depois disso, cada um seguiria seu rumo na busca de um bom emprego. Gastamos horas pensando e repassando cada detalhe daquela aventura que, por certo, marcaria nossas caminhadas. Algo deu errado e acabamos não levando nosso objetivo comum a cabo. Ele foi trabalhar numa grande firma e eu fui estudar Teologia. Um pouco mais tarde casamos com mulheres empreendedoras e, assim, fomos galgando os degraus que nos conduziram aos 50 e, por tabela, àquele momento.

Amizades verdadeiras não acabam. Era como se sempre tivéssemos tido contato. Enquanto íamos articulando nossos pensamentos, também ia ficando claro que ainda concordávamos em gênero, número e grau, no que diz respeito às questões paridas pelo momento vivido. Ele e eu nos afastamos um do outro porquê tínhamos coisas a fazer, a construir, a elaborar. Estávamos com os filhos a criar e sempre com sementes na mão prá semear. Nos engajamos em muitos projetos e, juntos, fomos contribuindo para a melhoria de alguns poucos segmentos do mundo à nossa volta. Ali, sentados, um na frente do outro, com as feições amadurecidas, vimos que ainda temos coisas a fazer.

Como frisei em outros textos, vivo momento exclente. Sózinho não consigo sobreviver. Fui criado por Deus para viver em comunhão com meu próximo. Agradeço a Deus pelo privilégio de poder estar fazendo tais descobertas neste tempo que se chama hoje, setembro de 2006.

OLHA SÓ!

  A BAILARINA DE AUSCHWITZ Outro dia, após repartir algumas dificuldades com uma amiga, fui desafiado a ler o livro “A Bailarina de Auschwit...