8.11.06

Aspirando Liberdade!


Faz pouco, sentei-me à escrivaninha para rever minha agenda. Nela estava explícito que o tempo para escrever sobre o tema “vocação” expirava. Prazeiroso, ajeitei-me na confortável cadeira e pus mãos à obra.

Cresci numa família pobre. Informei-me no seio da Escola Pública. Aos doze anos, empreguei-me numa oficina mecânica. Enquanto trabalhava, sempre ficava sonhando com o final de semana. O contato com a turma da Juventude Evangélica me era muito caro. Nele aprendi a ser gente que ama, que chora, que ri.

Um dia, procurando pelo sentido de viver, saí a caminhar dentro da madrugada santa-cruzense. Sentei-me na amurada do pequeno viaduto, em frente ao quartel militar. Foi ali que pedi ajuda a Deus. Supliquei-Lhe que me escrevesse um norte nos céus. Devo ter gasto uma boa meia hora na procura dos dos Seus hieróglifos, entre as estrelas.

De repente, brotou-me uma idéia. Iria buscar ajuda junto ao pastor da nossa Comunidade. Dirigí-me à sua casa que distava dois ou três quilômetros de onde eum me encontrava. Ao aproximar-me da mesma, auto-critiquei-me: - não poderia acordar um homem que sofria dores no coração naquelas horas meninas. Mesmo assim, fui até o fim no meu intento. E não é que o falecido Benno estava acordado e disposto!... Contei-lhe sobre minhas sortes e meus azares. Compartilhei-lhe meus sonhos e, ao cabo de boa conversa, ouvi de sua boca: - O Presbitério autorizou-me a alcançar uma Bolsa de Estudos para quem eu quiser. Estou propondo a mesma a você. Depois de tudo, existe a possibilidade do pastorado...

Passaram-se dois meses, e lá estava eu, exposto às "talhadeiras" pedagógicas de um ensino que me catapultou ao Sacerdócio Especial. Hoje, depois de longa jornada por pátios igrejeiros, encontro-me “respirando” ação cristã na universidade, “aspirando liberdade”, como ainda canta a Daniela Mercury.