10.11.06

Gaúcho bávaro!

Faz seis anos que moro em Munique. Durante este tempo, minha esposa e eu hospedamos mais de trezentos brasileiros. Eles continuam vindo do Brasil sempre muito alegres, falantes e encharcados de novidades. Tais contatos nos fizeram bem. Ajudaram-nos a matar a saudade da nossa terra. Na medida do possível, smpre levei nossas visitas para um passeio pelos pontos turísticos da capital da Baviera.

Assim, creio que já embarquei pelo menos umas cinqüenta vezes no elevador da torre de 285 metros de altura, construída no Parque (Olympiastadium) onde foram realizadas as Olimpíadas de 1972. Lá do alto pode-se divisar a beleza da nossa cidade e, ao sul, os lindos e majestosos Alpes. Num sábado destes, deixei que minhas visitas subissem o monumento sozinhas. Eu só queria ficar um pouco a sós comigo mesmo.

Na meia hora seguinte fiquei por ali, passeando ao pé da torre. Eu vestia camisa branca, chapéu de feltro e calça de couro com suspensórios. Minha barba estava crescida e branca sobre a pele morena de sol. Num dado momento iniciei a liturgia da preparação do meu cachimbo para dentro daquela hora de intimidade com o ócio. O dia estava muito bonito, com céu de brigadeiro, “ein Traumwetter” como dizem os alemães.

Do meio das baforadas da fumaça que adoçava o ar com cheiro de baunilha, vi que do portal da referida torre saia uma família de, pelo menos, quinze japoneses. Eles vinham, com passos incertos, se acercando de mim. Todos sorriam sorriso igual. Senti que, tal qual um barco em meio à tempestade, começava a inundar no meio de tanta simpatia. Falavam comigo em japonês e, pelos gestos, acabei deduzindo que queriam bater fotos comigo. Claro que não me fiz de rogado. Posei com os avós, com as filhas e com os filhos, com as netas e com os netos. Uma vez só com a netinha no colo. Outra, abraçado ao casal mais idoso. Foi uma festa. Claro que eu não entendia nenhuma palavra do que falavam, mas curtimos o momento, mesmo assim.

Antes de irem embora, percebi que me agradeciam efusivamente. Inclinavam-se e estendiam suas mãos desejando-me um bom dia. Deduzi isto, enquanto “ouvia” seus corpos comunicando. Depois de alguns instantes entendi o porquê de todo aquele alvoroço. É que me confundiram com um homem alemão, com um típico bávaro. Penso que ainda hoje, em encontros familiares no Japão, sou visto como tal nas fotos da família viajante. Quando os nossos hóspedes desceram das alturas da torre, contei-lhes o ocorrido e acabamos nos divertindo muito com a cena: um brasileiro gaúcho se passando por bávaro. Mais tarde, sózinho com meus botões, pensei: - quantas e quantas vezes me fiz passar por ateu...