Busque Saber

27.11.06

Gente querida!


Vivi pouco mais de 52 anos de história. Construí a mesma, sempre observando e aprendendo das pessoas que perto de mim circularam. Abaixo, escrevi uma lista quase completa daquelas que marcaram minha existência. A partir de agora vou me dedicar a escrever, pelo menos, uma crônica sobre cada amiga e ou amigo meu (os nomes sublinhados já foram contemplados). Devagarinho me dou conta de que algumas queridas e queridos nem podem mais me ler...

Abigair, Adamastor, Alcides, Alexandre, Almerinda, Ana, Andréa, André, Anika, Áqüila, Ari, Arno, Arquimedes, Armindo, Arnóbio, Aron, Átilo, Augusto, Aurélio, Arzemiro, Beatriz, Benhour, Benno, Bento, Carlitos, Carlos, Carmem, Carol, Cátia, César, Charles, Christel, Christore, Cida, Cíntia, Cláudio, Clowes, Dagmar, Daniel, Darclê, Darcy, Débora, Décio, Délcio, Diclea, Dolíria, Donaldo, Dorita, Dorothea, Dorvan, Douglas, Dulce, Edith, Edgar, Edmar, Edson, Elaine, Elisa, Elsbeth, Elzira, Ema, Emil, Ênio, Erdmann, Êrica, Ernâni, Ernesto, Ethel, Eva, Evandro, Fanny, Fátima, Flávio, Fritz, Genésio, Gerda, Gerson, Gilvana, Glací, Godofredo, Gottfried, Graça, Gudrum, Guilherme, Günter, Hannelore, Hardi, Harriet, Heini, Helvino, Hermedo, Hetio, Horst, Hugo, Ilma, Ilmar, Iloni, Ingo, Ingrid, Iracema, Iria, Irineu, Irmgard, Isolde, Ivete, Ivone, João, Jaime, Jairo, Jamile, Joice, Júlio, Kátia, Klaus, Kurt, Ledi, Lili, Lilian, Lindolfo, Lisete, Lysann, Lothar, Luiz, Luís, Lauro, Madalena, Magdalena, Manfredo, Mara, Márcia, Marcos, Marília, Marisa, Marlene, Marli, Margarethe, Martin, Martina, Mauro, Milton, Mônica, Monika, Nair, Neusa, Nelci, Nelson, Nilce, Nilza, Norma, Odálio, Ornélio, Oscar, Osmar, Osvaldo, Osvino, Paula, Paulo, Peter, Ramon, Raquel, Raulino, Reinaldo, Reinbold, Reynoldo, Régis, Reni, Renomir, Ricardo, Roberto, Rodolfo, Rolf, Romana, Romi, Romilda, Roque, Rosana, Rosâne, Rosângela, Roseli, Rosvita, Rubens, Rudi, Sadi, Sérgio, Sílvia, Sílvio, Sônia, Tânia, Tereza, Traudi, Uwe, Walder, Walter, Watson, Wilson, Wolfgang, Valmi, Valmor, Vanda, Vanessa, Valdenir, Valdevino, Vânia, Vanolir, Venilda, Vera, Vilson, Vitor, Zaira...

24.11.06

Mas acabou!...


De manhãzinha,
Rever minha estrela, sonhei.
Então, o olhar pelo céu passeei.
Cantos e recantos, pesquisei.
Nada!
E assim, de opaco me pintei.

À tardinha,
Comunhar o amor, esperei
Com os horizontes brinquei.
Versos e rimas também cantei.
Loucura!
Da pura solidão me molhei.

Já à noitinha,
Nas horas que ali passei,
Com a realidade, dialoguei.
Afagar a sobriedade, tentei.
Mas acabou!...
E, para o lugar, retornei.

22.11.06

Não sorrio mais assim!


Faz mais de 50 anos que sorri assim. Naquele dia meu sorriso brotou grifado pelo brilho dos pequenos olhos amelados. Minha mãe e o fotógrafo foram testemunhas do momento de alegria emoldurado em pura simpatia. Coisa boa descobrir a vida. Sentir o prazer do calor, da roupa leve no corpo. Desfrutar a dor da erupção dos dentes que também vêm para servir. Cooptar o engajamento daqueles que só têm planos bons e estão ao seu lado. Chales Chaplin dizia que “dia sem sorriso era dia perdido”. Eu sei! No entanto, hoje, não sorrio mais como na foto. Talvez, porque esteja ventando muito lá fora...

21.11.06

Hora de retrabalhar!


Outro dia, eu estava chegando em casa quanto senti aquele cheirinho gostoso de aipim, de mandioca frita, como se diz em alguns recantos do Brasil. Não pode ser – pensei. À medida em que eu ia me aproximando, ia ficando mais e mais claro que a Valmi me preparara aquela bela surpesa pro almoço.

Na Alemanha essa iguaria é caríssima e só se consegue a mesma em casas de comércio asiáticas. Comprar uma ou duas raízes acaba sendo como jogar na loteria – isso mesmo. Os comerciantes não permitem que a gente aperte a raiz com os dedos. Isso porque um tal aperto poderá romper a camada protetora da cera que envolve o poduto. Muitas vezes, depois de uma compra tal, a gente chega em casa e, só depois de descascar, que se vai perceber o “desejo” inapropriado ao consumo.

Ah que coisa boa o nosso almoço. Aipim frito com molho vermelho picante, escorrendo pelos lados. Do lado do prato, um cálice de vinho tinto seco. Foi bom aquele tempo que recheamos de boa conversa. De um bate-papo que nos conduziu por caminhos futuros em desaguadouro catarinense. Não vimos o tempo passar. Que pena! De repente era hora de retrabalhar...

18.11.06

Felicitações!


Como vocês sabem, nossa ida a Joinville para trabalharmos no Sacerdócio Especial ficou decidida no último domingo, dia 12 de novembro de 2006. Depois disso recebi muitas felicitações de amigos e colegas. Não posso publicar todas as referidas mensagens. No entanto, contemplo todas elas com a cópia da que meu chefe escreveu. Para quem lê em alemão, aqui vai...

"Lieber Herr Becker, ich war gespannt, wie es ausgehen würde! Nun freue ich mich sehr für Sie und Ihre Familie! Ich wünsche Ihnen von Herzen, dass sich Joinville als ganz richtige und passende Stelle erweist. Am Anfang weiß man das meist ja nie ganz gewiss und es bleibt ein mehr oder weniger großes Wagnis und man muss Vertrauen, dass in und hinter allen menschlichen Entscheidungen Gottes Führung und Segen stecken. Das es so sei, wünsche ich von Herzen!

Ich bin auch dankbar, dass Sie noch einige Zeit hier sind. Aus Erfahrung weiß ich: wenn eine Entscheidung für einen Wechsel gefallen ist, nimmt die neue Situation auch vile unserer Gedanken ein und auch einen teil unseres Handelns, denn es muss ja alles vorbereitet werden. Trotzdem soll und will man an der alten Stelle noch da sein und seine Aufgabe gut machen. Ich wünsche Ihnen, dass auch diese "Übergangszeit" gut gelingt!

Herzliche Grüße
Ihr
Klaus Schmucker Kirchenrat Leiter der Evangelischen Dienste im Dekanatsbezirk München Landwehrstr. 11 - 80336 München
"

14.11.06

Estava batido o martelo!


As senhas diárias de hoje apontam para o Salmo 11,7a (Porque o Senhor é justo, ele ama a justiça;) e para Efésios 5,9 (porque o fruto da luz consiste em toda a bondade, e justiça, e verdade). Na oração que acompanha os dois versos bíblicos está a primeira estrofe do hino n° 154 (Evangelisches Gesangbuch) onde se lê: - “Herr, mach uns stark im Mut, der dich bekennt, dass unser Licht vor allen Menschen brennt! Lass uns dich schaun im ewigen Advent! Halleluja!“ Foi bom meditar sobre este pequeno conteúdo, agora de manhã.

O ano de 2006 foi interessantíssimo para mim, como obreiro da IECLB. Daqui e dali eu ouvia informações de que não seria fácil conseguir uma vaga para atuar como obreiro n’alguma Comunidade da IECLB. Daí que comecei a informar-me sobre possibilidades de trabalho já em 2005. Assim enviei meu “Curriculum” para um sem-número de Comunidades. Junto, passei a conversar com muitas obreiras e obreiros da nossa Igreja. Nestes diálogos, sempre explicitei o desejo de que me auxiliássem quando de minha volta ao Brasil em 2007. E o tempo foi passando…

O contato com a Paróquia São Mateus de Joinville começou a esquentar em julho de 2006. Depois de vários telefonemas e E-Mails, enviei-lhes um vídeo com respostas às suas perguntas e, junto, uma meditação. Soube que as liderancas se reuniram com o Presbitério e trataram do assunto. Ficamos acordados de que a decisão aconteceria no dia 12 de novembro de 2006, depois do Culto Dominical, quando então nos apresentaríamos à Comunidade, a partir de uma video-conferência.

O domingo aconteceu. Assistimos ao Culto pela internet. Depois do mesmo, as lideranças da Paróquia nos fizeram em torno de sete perguntas e, ao cabo das respostas, a membresia presente ainda teve a chance de rever nosso video de apresentação. Feito isso, o presidente perguntou aos presentes se nos aceitavam como obreiros e a Comunidade disse “sim”. Estava batido o “martelo”.

10.11.06

Gaúcho bávaro!

Faz seis anos que moro em Munique. Durante este tempo, minha esposa e eu hospedamos mais de trezentos brasileiros. Eles continuam vindo do Brasil sempre muito alegres, falantes e encharcados de novidades. Tais contatos nos fizeram bem. Ajudaram-nos a matar a saudade da nossa terra. Na medida do possível, smpre levei nossas visitas para um passeio pelos pontos turísticos da capital da Baviera.

Assim, creio que já embarquei pelo menos umas cinqüenta vezes no elevador da torre de 285 metros de altura, construída no Parque (Olympiastadium) onde foram realizadas as Olimpíadas de 1972. Lá do alto pode-se divisar a beleza da nossa cidade e, ao sul, os lindos e majestosos Alpes. Num sábado destes, deixei que minhas visitas subissem o monumento sozinhas. Eu só queria ficar um pouco a sós comigo mesmo.

Na meia hora seguinte fiquei por ali, passeando ao pé da torre. Eu vestia camisa branca, chapéu de feltro e calça de couro com suspensórios. Minha barba estava crescida e branca sobre a pele morena de sol. Num dado momento iniciei a liturgia da preparação do meu cachimbo para dentro daquela hora de intimidade com o ócio. O dia estava muito bonito, com céu de brigadeiro, “ein Traumwetter” como dizem os alemães.

Do meio das baforadas da fumaça que adoçava o ar com cheiro de baunilha, vi que do portal da referida torre saia uma família de, pelo menos, quinze japoneses. Eles vinham, com passos incertos, se acercando de mim. Todos sorriam sorriso igual. Senti que, tal qual um barco em meio à tempestade, começava a inundar no meio de tanta simpatia. Falavam comigo em japonês e, pelos gestos, acabei deduzindo que queriam bater fotos comigo. Claro que não me fiz de rogado. Posei com os avós, com as filhas e com os filhos, com as netas e com os netos. Uma vez só com a netinha no colo. Outra, abraçado ao casal mais idoso. Foi uma festa. Claro que eu não entendia nenhuma palavra do que falavam, mas curtimos o momento, mesmo assim.

Antes de irem embora, percebi que me agradeciam efusivamente. Inclinavam-se e estendiam suas mãos desejando-me um bom dia. Deduzi isto, enquanto “ouvia” seus corpos comunicando. Depois de alguns instantes entendi o porquê de todo aquele alvoroço. É que me confundiram com um homem alemão, com um típico bávaro. Penso que ainda hoje, em encontros familiares no Japão, sou visto como tal nas fotos da família viajante. Quando os nossos hóspedes desceram das alturas da torre, contei-lhes o ocorrido e acabamos nos divertindo muito com a cena: um brasileiro gaúcho se passando por bávaro. Mais tarde, sózinho com meus botões, pensei: - quantas e quantas vezes me fiz passar por ateu...

8.11.06

Aspirando Liberdade!


Faz pouco, sentei-me à escrivaninha para rever minha agenda. Nela estava explícito que o tempo para escrever sobre o tema “vocação” expirava. Prazeiroso, ajeitei-me na confortável cadeira e pus mãos à obra.

Cresci numa família pobre. Informei-me no seio da Escola Pública. Aos doze anos, empreguei-me numa oficina mecânica. Enquanto trabalhava, sempre ficava sonhando com o final de semana. O contato com a turma da Juventude Evangélica me era muito caro. Nele aprendi a ser gente que ama, que chora, que ri.

Um dia, procurando pelo sentido de viver, saí a caminhar dentro da madrugada santa-cruzense. Sentei-me na amurada do pequeno viaduto, em frente ao quartel militar. Foi ali que pedi ajuda a Deus. Supliquei-Lhe que me escrevesse um norte nos céus. Devo ter gasto uma boa meia hora na procura dos dos Seus hieróglifos, entre as estrelas.

De repente, brotou-me uma idéia. Iria buscar ajuda junto ao pastor da nossa Comunidade. Dirigí-me à sua casa que distava dois ou três quilômetros de onde eum me encontrava. Ao aproximar-me da mesma, auto-critiquei-me: - não poderia acordar um homem que sofria dores no coração naquelas horas meninas. Mesmo assim, fui até o fim no meu intento. E não é que o falecido Benno estava acordado e disposto!... Contei-lhe sobre minhas sortes e meus azares. Compartilhei-lhe meus sonhos e, ao cabo de boa conversa, ouvi de sua boca: - O Presbitério autorizou-me a alcançar uma Bolsa de Estudos para quem eu quiser. Estou propondo a mesma a você. Depois de tudo, existe a possibilidade do pastorado...

Passaram-se dois meses, e lá estava eu, exposto às "talhadeiras" pedagógicas de um ensino que me catapultou ao Sacerdócio Especial. Hoje, depois de longa jornada por pátios igrejeiros, encontro-me “respirando” ação cristã na universidade, “aspirando liberdade”, como ainda canta a Daniela Mercury.

7.11.06

A pitangueira do meu pomar!



Hoje, lendo os jornais, assustei-me. Não há mais dúvida de que o mundo se move por ameaças. Como comportar-me no meio desse deserto? Foi por acaso que acabei lendo esta boa Palavra: - “Que variedade, Senhor, nas tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste. Cheia está a terra das tuas riquezas” (Salmo 104.24). Interessante notar que o autor deste pequeno conjunto de idéias mostra-se maravilhado e, consequentemente, adorador de Deus. Ao perceber Sua sabedoria, não consegue calar. E é claro que, em vista disso, só consegue escrever poesia.

É de manhã. O silêncio chega a ser cortante. E eu, recolhido no gabinete, tento dialogar com Deus. Lá fora, sobre a grama verde, o pé de pitangas. Suas frutas vermelhas, prá lá de maduras, já colorem o chão. Nos galhos, sustentados por forquilhas, dançam, ao sabor do vento, sabor e beleza. O casal de pássaros trabalha a não mais poder. Voam e voltam com capim escolhido no bico. O ninho já trás as marcas do leiaute milenar, um dia aprendido do Criador. A felicidade? Ora, ela fica traduzida nos alegres pios e nos lépidos pulos que confundem minha visão, enquanto tento olhar por entre as folhas sombreadas.

Nunca vi passarinhos magros. Quando os percebi tristes e ensimesmados, estavam em gaiolas. Infelizmente, depois da Proposta Primeira de Deus, vieram os cercados. A depressão machuca muito mais do que só o coração. O mundo já teme a falta d´água. Leio que já há rios que não chegam ao mar e, assim, ouço a natureza a chorar. Ela tem saudade dos carinhosos dedos Daquele que a projetou. Ela geme, enquanto espera pela interferência dos que têm consciência.

Quanta algazarra, tudo é festa na pequena árvore. Êpa! O vento virou. O telefone tocou. Acordei-me. Tenho assuntos a resolver. Lá fora estão famílias a visitar. Será que ainda sobra tempo prá eu sonhar? Enquanto isso, flui a vida na pitangueira do meu pomar. (Texto escrito em Florianópolis - 1999)

2.11.06

Passamos pelo tempo!


Faz muito tempo que nos conhecemos. Ele ainda passa a impressão de representar a Verdade, aqui na terra. Suas palavras sempre ainda soam duras àqueles que não concordam com seus ensinamentos. Lembro que, dia após dia, mostrava-se um sujeito extremamente doce àqueles que o levavam em conta. Confesso que ouvi-o, durante anos, com todo carinho. Ele tinha vivido vida dura. Mesmo assim, debaixo de luta forte, cresceu e venceu em meio aos ventos de enormes crises. Ainda hoje é um sujeito carismático. Inúmeros continuam ouvindo-o, enquanto segue sua caminhada. Fiquei triste ao perceber que não consegue se dar conta de que a vida passa. De que não é o eixo da existência.

O tempo está parado. O sol está estacionado nalgum lugar do firmamento. A terra gira em torno dele e, dali, nos brinda com dias e noites. Dentro deste sistema estático, estamos dinâmicos, tu e eu. Somos capazes de viajar à Vladivostok, à Atenas, a Beirut e à Santa Cruz do Sul. Enquanto isso, nosso organismo vai incorporando sinais de desgaste. Alguns de nós não percebem e ou até não querem perceber estes tais. Teimamos em ir tocando a vida como sempre a tocamos. Fechamos os ouvidos para os nítidos recados que vem do Criador que, por amor, assim nos prepara para a entrega do bastão às gerações vindouras. Há que se ouvir também essa voz de Deus que soa através dos nossos órgãos.

Meu envelhecido amigo passa ao largo destes recados. Não quer se ocupar com esta questão. Continua querendo ser senhor maior, sempre a partir da hiper-atividade. Não consegue sentar. Quer continuar a lutar como lutava. A interfer nos assuntos como interferia. A dar a pauta como antigamente o fazia. Vi que seu olhar não brilha mais tanto como outrora brilhava. Percebi que seus dedos perderam a elasticidade. Mas também pude notar que ele insiste no seu propósito. Ouvi-o dizer que quer morrer em pé, fiel ao seu passado. Daí, não resisti e desafiei-o a encarnar outro ritmo. Ele fez que não ouviu.

OLHA SÓ!

  A BAILARINA DE AUSCHWITZ Outro dia, após repartir algumas dificuldades com uma amiga, fui desafiado a ler o livro “A Bailarina de Auschwit...