5.8.07

Pois é!


Era uma vez um homem que comprou um lindo terreno num bonito bairro da sua cidade. Nele havia três lindas árvores nativas que davam boa sombra. O arquiteto e o engenheiro levaram em conta a obra da natureza, enquanto trabalharam a planta da sua tão sonhada residência. Precisou aterrar os fundos dos ditos 1.500m² com onze caçambadas de boa terra. Ele mesmo contruiu o muro em volta do lote, todo com tijolos à vista. Também caprichou nos dois portões, um para o carro e o outro para a família. Seus filhos o ajudaram a cavar valetões que preencheu com pedra britada para secar a umidade. Ele fez mutíssimas coisas mais.
Poupou dinheiros e, depois de alguns bons nove meses, plantou o fundamento da tão sonhada casa, tudo com cimento e ferro de primeiríssima qualidade. Dava gosto de ver a construção crescendo a partir das suas mãos e das dos seus queridos. Ninguém poupava as suas forças na obra. Ele simplesmente cuidou de todos os detalhes. Escolheu os azulejos, o tipo de telhas, o piso, o encanamento, a instalação elétrica, o madeiramento e tantas coisinhas mais que uma obra deste vulto requer. Também plantou um lindo gramado em roda de casa e não poupou dinheiros quando o assunto tinha a ver com estética. Enfim, colocou a sua vida na construção.
Passaram-se dezessete meses e a casa da sua aposentadoria ficou pronta. Agora era tempo de mudar, invadir seus aposentos com os móveis, com as suas coisas que foi adquirindo durante a vida. Ele ainda dispunha de um pouquinho de dinheiro e foi então que lhe brotou uma “brilhantíssima” idéia: terceirizar a ornamentação interna e externa do seu lar.
Pois gastou o resto das suas economias com as horas trabalhadas de um sujeito que surgiu do nada, assim de repente. Sem refletir no que estava fazendo, conferiu-lhe poder para encher seu novo “ninho” com cortinas, tapetes e quadros que não combinavam absolutamente nada com seu apurado gosto. Também permitiu que o tal indivíduo escolhesse as cores com as quais pintou seu patrimônio, externa e internamente. Agindo assim, oportunizou que a dita cuja pessoa saboreasse a “sobremesa” que era só sua. Agora, ele precisava conviver com toda aquela gama de detalhes que via e revia todos os dias, mesmo sem deles gostar. Pode uma coisa dessas? Pois é!...

Nenhum comentário: