28.6.11

Decisão aqui e agora!


Martin Luther estava voltando de uma viagem. Ele tinha ido visitar os seus pais em Manfeldt. Os historiadores sustentam que essa viagem teria acontecido numa quarta-feira, dia 2 julho de 1505. Agora só faltavam mais uns seis quilômetros para ele chegar à cidade universitária de Erfurt. De repente o céu começou a escurecer e veio uma tempestade. O vento se mostrava forte e os relâmpagos eram assustadores. Num dado momento um dos raios atingiu uma das árvores que cresciam à beira do caminho que Lutero trilhava.

O nosso Reformador estava “morrendo” de medo. Até pode-se dizer que ele estava experimentando verdadeiro pânico. Foi exatamente neste momento que ele pediu proteção à Santa Ana. Mais do que isso: Fez um voto. Se a santa o ajudasse a sair vivo dali, se tornaria um monge. Foram as consequências desta decisão que mudaram o curso da História.

Nestes dias de julho, há 506 anos, um jovem fez a experiência de como é fácil mudar-se os rumos da vida quando se está debaixo de pressão. Sim, Lutero estava desesperado no meio daquela tormenta e pasmem: foi justamente este desespero que lhe oportunizou mudança de vida. Claro que não foi só Lutero que fez tal experiência. Volta e meia somos informados a respeito de pessoas que também experimentaram mudanças drásticas, a partir dos momentos difíceis que vivenciaram.

Lutero estava seguro do que ele queria para a sua vida. Ele já tinha planejado o seu futuro. Era por isso estudava para ser advogado. Que coisa incrível: um relâmpago foi capaz de mexer com tudo o que ele tinha construído em si, desde a meninice. Isso quer dizer que nós só temos o tempo do “aqui e agora” para tocarmos a nossa vida. Sim, porque o nosso futuro pode vir a não se concretizar. Foi em vista disso que Lutero se concentrou naquilo que era essencial. Que se danassem os sonhos de seu pai de vê-lo advogando. O que, de uma hora para a outra, passou a valer de verdade foi a perspectiva de uma caminhada cristã.

Escolhas impactantes como essa experimentada por Lutero não são muito comuns nos dias de hoje. Mas isso também não tem a menor importância. Podemos nos “encharcar” com muito mais vida, se ousarmos responder estas perguntas: Como me posiciono diante daquilo que realmente é importante na minha vida? Empurro as minhas decisões com a “barriga” esperando que, no futuro, tudo fique mais tranquilo para uma tomada de decisão? E se eu fizesse isso ou aquilo?...

É óbvio que nem sempre essa pergunta nos conduz até Deus. No entanto a resposta a esta questão pode nos ajudar a pesar melhor as decisões que tomamos no dia-a-dia. Para encontrarmos boas respostas para a nossa vida não seria nada ruim se incluíssemos Deus na “parada”.

Um comentário:

Thiago Klein disse...

É fascinante como uma simples escolha (por mais difícil que ela possa ser), pode mudar o futuro de uma pessoa, de um país ou até mesmo do mundo inteiro. Ou pode ser que nada aconteça. Esses dias li uma frase que anotei:

"Deve-se pensar muitas vezes, deve-se decidir de uma só vez", a partir da decisão não pode ser feito muita coisa, você tem o direito de pensar quantas vezes for necessário (dentro do tempo certo), mas decidir apenas uma vez.

Durante nossa caminhada, nossos pensamentos são diferentes, ora estamos pensando de um jeito ora de outro. Fazemos as coisas da forma que é esperada para aquela oportunidade.

Saudades das discussões da MiuNi.

Grande Abraço!