21.6.11

OASE - Eu pensei em ti!


Conta-se que, certa vez, a rainha de Sabá enviou dois buquês de rosas ao sábio rei Salomão. Os dois maços de flores eram idênticos, mas um era autêntico e o outro falso. Salomão deveria selecionar as flores naturais. Sua tarefa não foi fácil visto que os buquês eram encantadores e apresentavam aspecto; fragrância; consistência; colorido, maciez e fragilidade iguais. Salomão pensou um pouco e, num segundo, abriu a janela que dava para o seu famoso jardim. Em poucos instantes o seu dormitório foi invadido por um pequeno enxame de abelhas que, sem hesitação, pousou nas flores verdadeiras. É da natureza das abelhas distinguirem a flor verdadeira da falsa. Também é da natureza de Deus reconhecer a diferença entre a adoração sincera e a adoração simulada. Penso que queremos ser pessoas próximas de Deus; que sonhamos adorá-Lo de forma autêntica. O texto de Provérbios 2.8-10 nos ajuda neste projeto: “Ele vigia as sendas do direito, e guarda o caminho dos seus amigos fiéis. Então compreenderás a justiça e o direito, a retidão e todos os caminhos da felicidade; porque virá a sabedoria ao teu coração e terás gosto no saber.”

Que alegria poder me dirigir a vocês, senhoras da Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas - OASE. Faço-o com minha memória voltada ao ano de 1982. Sim, faz 29 anos que exerci meu primeiro pastorado em Cidade Gaúcha (PR). A nossa Paróquia era composta por apenas 40 famílias, mas o grupo da OASE era forte. Eu era jovem e sem experiência, mas aquelas senhoras souberam me acolher, minimizando meus defeitos; convidando-me para visitar seus lares; inserindo-me no contexto da Comunidade. Quantas boas lembranças!

O livro de Provérbios nos desafia a desenvolvermos o caráter amoroso de Deus nas nossas vidas. Jesus Cristo se espelhou no Seu Pai quando demonstrou seu caráter misericordioso entre nós. Esse amor, essa misericórdia, essa doação em prol do próximo, sem a espera de qualquer recompensa, deveria nos incitar a viver com mais alegria nos espaços que ocupamos na família, na Comunidade e na sociedade.

Lembram de como Deus foi amoroso com o povo hebreu durante a travessia do deserto? Recordam como Jesus Cristo foi misericordioso quando assumiu a cruz em favor de nós? Outro dia, lendo o capítulo três da Carta do apóstolo Paulo a Timóteo, percebi que uma pessoa cristã nunca é avaliada pela sua crença, pelo grupo de OASE que participa, mas pelo caráter que tem. Pessoas afinadas com o caráter de Deus professam verdades e, depois, praticam as mesmas. Eu senti este testemunho nos grupos de OASE pelos quais passei. Ai que saudades dos grupos de senhoras evangélicas de Cruz Alta (RS), de Florianópolis (SC)...

As pessoas que de fato se relacionam com Deus nunca são vistas descansando nas “redes da teoria”. Ando por aí e percebo alguns grupos cristãos investindo num cristianismo abstrato, teórico, intocável e, por isso mesmo, sem gosto, sem perfume. Coisa boa! Também existem os grupos que investem na prática da diaconia (serviço cristão). Sim, eu sempre constatei reflexão e trabalho nos grupos pelos quais passei. Salomão, o autor do Livro de Provérbios, bate na tecla de que se busque a sabedoria com “unhas e dentes” e que, logo depois, se ponha em prática aquilo que se aprendeu; que se viva o Culto na Comunidade e, ao mesmo tempo, na calçada.

Hoje quase todas as pessoas lêem jornais; ouvem rádios; assistem programas de televisão e navegam na internet. As informações geradoras de conhecimento nos alcançam em qualquer canto e recanto do mundo. Quer dizer, somos pessoas bem informadas. Agora, será que todo esse conjunto de informações tem contribuído para que alcancemos mais sabedoria? Os trinta e um capítulos do Livro de Provérbios nos passam a informação de que Salomão está mais interessado em fazer as pessoas “sábias” do que fazê-las “espertas”, inteligentes.

É incrível! Nós sempre optamos pela segunda opção (inteligência). Por exemplo: quando os nossos cientistas dividiram o átomo, começou-se a fabricar bombas atômicas. A divisão do átomo bem que poderia ser usada para produzirmos apenas energia mais limpa o que, por si só, já seria uma atitude “sábia”, mas não: investimos na guerra com esta descoberta.

Gente querida! O que é bom, o que é certo é o que vale a pena. Não sejamos pessoas ingênuas. A pura “simplicidade” não é querida por Deus? Outro dia li de um teólogo muito famoso que “crer é também pensar”; que crer é também desenvolver o nosso senso crítico; que crer é ser “ágil como as serpentes e, ao mesmo tempo, prudente como as pombas” (Mateus 10.16). Noutras palavras: Saber o que é certo não é suficiente. Uma pessoa “sábia” é aquela que se relaciona com Deus, não a pessoa que só conhece certas verdades.

O texto bíblico citado nos informa que Deus zela pela caminhada das Suas filhas e dos Seus filhos. Coisa boa saber que esta Palavra nos diz respeito. Sim, Deus tem cuidado de mim e de ti, mas atenção: as pessoas guardadas por Deus também podem vir a sofrer fome e sede; experimentar tempos difíceis. Deus segura na mão das pessoas que O procuram porque o Seu desejo é que elas não deslizem na escorregadia noite da desesperança quando faltar fé. Foi Jesus Cristo mesmo quem nos deixou claro: “...guardei-os e nenhum deles se perdeu” (João 17.12b) Sim, fazemos parte do “time” daqueles que foram e que ainda são cuidados por Jesus Cristo.

O que é a Sabedoria de Deus? O referido texto nos esclarece que a Sabedoria é um presente que Deus nos alcança. Quem conhece Deus sabe como viver uma vida de qualidade. As palavras justiça, direito e retidão tem a ver com “conduta reta” e geram felicidade. Quer dizer: as filhas e os filhos de Deus estão num processo de santificação que os torna cada vez mais leais a Deus. O texto nos diz que Deus contempla com proteção as mulheres e os homens que buscam a Sabedoria.

A leitura final do texto acima nos deixa evidente que o caráter de uma pessoa deve ser mais relevante do que a atividade que essa mesma pessoa possa desenvolver na família, na sociedade ou na Igreja. Sim, aquilo que “somos interiormente” tem muito mais valor para Deus do que aquilo que “fazemos exteriormente”. Sinceramente, penso que deveríamos investir mais na nossa saúde interior, na nossa paz física e espiritual. Se nos equilibrarmos nesta área exerceremos o bom serviço, o auxílio querido, a partir da Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas (OASE).

Abelhas sabem discernir a flor verdadeira da flor sintética. Deus é Sábio e sabe reconhecer a diferença entre a adoração sincera e a adoração simulada. Aprendamos a adorar a Deus de fato e de verdade, enquanto em contato com nossas irmãs na OASE. Aproximemo-nos de Deus; adoremo-Lo de forma autêntica. Que possamos ter sempre um coração aquecido pelo calor de Deus. Que este calor que aquece os nossos corações possa resfriar sempre de novo a nossa cabeça para que, com sabedoria, possamos discernir entre o que é bom e o que é ruim.

Nenhum comentário: