13.12.11

Deus e Jesus estão aqui - 2 Samuel 7.1-16!


Eu vou pregar assim no próximo domingo. Vou pedir que pessoas se levantem na hora da prédica e façam perguntas; questões que vou responder do púlpito. De repente ajuda na reflexão destes tempos de Advento. Abraços!

Adamastor: Ô pastor! Vi nas Senhas Diárias que hoje a sua prédica vai se alicerçar sobre o texto de 2 Samuel 7.1-16... Nós já lemos o texto que fala do rei Davi e do profeta Natã. Sabe pastor, li que este rei foi muito competente, também em termos militares; que ele conseguiu unir todas as Doze Tribos de Israel num só Reino; que ele resgatou a “Arca da Aliança” de mãos inimigas para, logo depois, guardá-la com toda segurança em Jerusalém. É isso mesmo?!

Pastor: Muito boa sua leitura Adamastor. Sim, Davi foi um grande rei. A maioria dos Salmos o exalta como tal. O Antigo Testamento também testemunha que Davi tinha talento de sobra para a música. Só uma coisa lhe faltava para estabilizar o seu reino... Como você bem disse, Davi centralizou o poder em torno de si; do palácio seguro onde morava. Agora ele queria edificar um grande “santuário” com o objetivo de proteger a tal “Arca” da qual você falou há pouco. Mais do que isso, Davi tinha a intenção de concentrar a fé das pessoas que compunham o seu o Império, naquele referido “santuário”. Tudo estava se encaminhando para isso até que, de repente, o profeta Natã fez uma visita a Davi. O pessoal do “Acolhimento” passou para as mãos de vocês o texto bíblico de 2 Samuel 7.1-16, que vocês já devem ter lido...

Godofredo: Li o texto pastor! Entendi que Deus não quer um templo para Si. Que o “negócio” de Deus não é se “encastelar” num determinado lugar; numa determinada região; numa cultura pré-estabelecida... Fiz a leitura correta desta Palavra?

Pastor: Corretíssima Godofredo! Deus não simpatiza com afirmações do tipo: - “Olhem! Ele está aqui” ou “Prestem atenção! Ele não está ali!” Deus sempre se mostrou ao Seu povo como um Deus que conduz pelo meio do deserto; como um Deus que está desinstalado; como um Deus que é intinerante; como um Deus que prefere a instabilidade da barraca;como um Deus que não quer ser adorado num santuário; como um Deus que não quer ser acomodado num templo. Godofredo e Adamastor: Deus sempre se mostra mais preocupado em promover vida abundante às pessoas que vivem no mundo, do que se concentrar em lugares específicos.

Bernardino: Estava aqui ouvindo a conversa de vocês e decidi contribuir com a discussão: - Concordo com o senhor, pastor! No passado Deus conduziu o Seu povo da escravidão para a liberdade; deu-lhe os Mandamentos para ajudar na sua organização familiar e política porque sempre detestou a desordem e o caos...

Pastor: Excelente Bernardino! É exatamente por isso que Deus rejeita o “santuário” planejado por Davi. O sucessor de Davi, o Filho de Deus, é quem haveria de edificar este “Templo de Adoração”. Vocês estão percebendo a diferença entre a idéia de Davi e a idéia de Deus? O “Templo de Deus” deverá ser construído a partir do Nome de Deus. Este “Santuário” não deverá ser construído para Deus! Guardem isso Bernardino, Godofredo e Adamastor: Deus não se deixa domesticar. Ele sempre se faz presente lá o Seu Nome é pronunciado.

Edeltraud: Entendi pastor! É por isso que sempre iniciamos o Culto “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”. Estas palavras nos deixam claro que “Deus está no meio de nós”.

Pastor: Grande Edeltraud! É em Nome de Deus que batizamos crianças e que nos compromissamos no sentido de acompanhá-las na sua caminhada cristã. No momento do Batismo, quando mencionamos o nome de Deus, as crianças batizadas se convertem em filhas e filhos de Deus. Maquele momento o Nome de Deus é santificado - como testemunham os Mandamentos – porque Deus está no meio de nós, não porque estamos em um “santuário” ou porque participamos de uma Igreja. Deus está conosco porque invocamos o Seu Nome e nos reunimos em torno Dele; porque ouvimos a Sua Palavra; porque dirigimos as nossas orações a Ele; porque nos deixamos renovar por Ele. Jesus Cristo disse que Ele e Deus estão ali onde “dois ou três estiverem reunidos em Seu Nome”. Para nós, cristãos, está claro que Jesus Cristo é o Filho de Deus, Aquele que veio fazer do Nome de Deus um “Templo de Adoração”. O Reino de Jesus Cristo é de eternidade a eternidade, tal como o profeta Natã prometeu.

Ana Rita: Puxa pastor. Nunca aprendi tanto como hoje. Quer dizer que Jesus imita o Seu Pai quando não se permite o aprisionamento; quando se faz presente no pão e no vinho; quando se coloca ao nosso lado no dia-a-dia.

Pastor: Você Ana Rita, como os outros que usaram a palavra aqui neste lugar, me anima por causa do seu raciocínio claro. Sim, se Jesus não estivesse presente aqui e agora, a nossa fé não teria sentido. Jesus Cristo caminha de forma contextualizada conosco, no nosso tempo e se mostra interessado em cada uma, em cada um de nós. Ele se autodenomina “Templo Sagrado”. Templo “que será demolido e reconstruído depois de três dias”. Para Jesus também não é importante que Deus habite num lugar particularmente sagrado. Para Ele importa, isto sim, que Deus esteja conosco. Quando celebramos a Santa Ceia em nome de Jesus, como vamos celebrar daqui a pouco, então poderemos “saborear” a Sua presença como só a cristandade pode fazê-lo.

Arquimedes: Deduzi deste diálogo que Deus se permitiu a pregação na cruz para estar presente conosco na Santa Ceia, onde temos o privilégio de participarmos do Seu Corpo Vivo. Que coisa! Isso é um mistério da fé... Deus não se permite prender ou se deter num espaço “x” ou “y”, mas nós podemos incorporá-Lo em nós.

Pastor: Sim Arquimedes! Podemos incorporar Deus em nós, baseados na Sua Palavra que diz que “somos santos porque Ele é santo”. Onde Deus é chamado de Deus; onde orações e batismos são feitas em Seu Nome; onde se louva em Seu nome; onde a Santa Ceia é celebrada, ali está Deus. Nós temos esta promessa. Deus não está aqui porque construímos este templo há quarenta anos. Não! Este templo até pode nos ajudar a concentrarmo-nos Nele, nada mais. Deus está aqui porque nos ama. É como diz a canção: “Deus está presente, todos o adoremos, com respeito nos prostremos! Deus está conosco, tudo em nós se cale, Deus a nossas almas fale! Quem o ouvir ou sentir, baixe os olhos, crente! Vinde ao Pai clemente! Deus vem a nós no pequeno Menino Jesus.” Amém!

3 comentários:

Rabiscos do Renato disse...

Obrigado Caro colega pela reflexão para o 4°. Domingo de Advento. Abraço. Pastor Donirsio Carlos Becker

telmo disse...

Obrigado. Foi muito importante na construção da prédica.
Abraços.
Telmo

Rabiscos do Renato disse...

Valeuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu........................... P. Roberto Luís Schulz