20.3.12

P. Alcides Jucksch - Adeus!


O dia 19 de março de 2012 parecia normal, mas não foi. De repente, à tarde, fomos informados do falecimento do Pastor Emérito Alcides Jucksch, no Hospital Arcanjo São Miguel, em Gramado (RS). Soube-se que ele estava hospitalizado já há alguns dias e que não resistiu aos seus males. Sim, o nosso querido Pastor Alcides descasou aos 99 anos e sete meses de vida. Seu corpo foi velado no Templo da IECLB de Gramado, Igreja Apóstolo Paulo (Igreja do Relógio), na Avenida das Hortências, no centro daquela bela cidade. O Culto e o seu sepultamento aconteceram no dia 20 de março, às 16h.

Conheci o P. Jucksch quando tinha cinco anos de idade, na Reserva Indígena Kaingang, no Toldo Guarita (RS). Esse ex-colega estava lá quando este “trabalho missionário” começou. Eu, no colo do meu avô, vi um sem-número de kainganges assistindo a sua evangelização em Língua Alemã (pasmem). Ainda me lembro do filme que ele passou na tela (um lençol de casal engomado da minha mãe) sobre a vida e a morte de Jesus. Havia silêncio e emoção na sala quando da crucificação do Filho de Deus.

O Pastor Alcides nos deixa um legado de amor e comprometimento pela causa do Evangelho. Inúmeras são as pessoas que se deixaram marcar pelas suas pregações, ensino e aconselhamento. Há testemunhos disso em todos os cantos e recantos do nosso Brasil. Um rapaz que foi visitá-lo se saiu assim: “Aquele homem idoso, humilde, sorridente, hospitaleiro e bem-humorado nos abriu a porta para ensinar a ler a Bíblia. Ele, apesar de sua idade avançada, não se achou o “dono da verdade” e, em nenhum momento, desprezou o nosso conhecimento. Depois de expor suas ideias, nos alertou: “Não acreditem em mim, peguem suas Bíblias, estudem e verifiquem se estou certo.”

Sim, esse era o Pastor Alcides. Um homem que falava com vibração; que ilustrava suas falas com anedotas. Ele entendia as ilustrações e anedotas que contava como “ferramentas” para a relembrança dos conteúdos que ensinava. Para ele uma boa história podia ser entendida como uma “janela da alma” por onde a Palavra de Deus tinha acesso. Ao ser informado sobre o andamento do retiro que dirigiu por 32 anos ele mandou o recado: "Agora vivencio o que Paulo escreveu: “A tua graça me basta!”

O Pastor Alcides Jucksch foi casado com a sra. Martha Jucksch, falecida em janeiro de 2008. O casal teve 4 filhas, uma filha falecida. O Jornal O Caminho se solidariza com a Dorothea, a Elisabeth e a Ruth. Coisa boa poder olhar para trás e se “orgulhar” de um pai.

2 comentários:

Rabiscos do Renato disse...

Olá Renato. Pois deve ser da mesma época, a minha lembrança do pastor Jucksch.Me lembro muito bem da nossa volta para casa, depois do programa, de evangelização, numa carroça puxada por dois cavalos. Na parte da frente da carroça, no banco, meus pais sentavam. Na parte de trás, em cima de um colchão, meu irmão Edemar e eu deitados, dominados pelo sono. No caminho para casa(3 Km) meus pais cantavam hinos e entre eles,DEUS SEMPRE ME AMA, que tinha sido cantado durante a Evangelização. E para compartilhar ainda, no ano passado, em setembro, minha mãe já muito doente e enfraquecida, um dos últimos pedidos antes de sua morte foi que cantássemos este mesmo hino Deus sempre me Ama...
Marlene Zizemer Gaede

Rabiscos do Renato disse...

Que coisa, 2012 começou levando pastores e uma pastora... a Carin, o Miltom, o Alberto e o Sírio e agora o Alcídes. Que coisa!!!!
Vera Cristina Weissheimer