2.9.13

O Testemunho da Viúva!


 
Gente querida! Faz pouco, li a história da Viúva Pobre. A doação daquelas duas moedinhas sempre foi apontada como um ideal a ser seguido na vida cristã. Muitas irmãs e muitos irmãos já repartiram e continuam repartindo suas propriedades; sua força; seu tempo e até os seus nervos para ajudar pessoas em dificuldade. Sim, exemplos deste tipo são comuns desde o nascimento da Igreja Cristã.  

Será que é certo fazer assim? Vejamos: A Viúva Pobre foi ao templo e, lá, se deparou com uma Caixa de Ofertas. O dinheiro que ela depositou ali seria usado nas despesas com o Templo. O fato que, a partir de agora, depois de doar todo o seu dinheiro, aquela mulher não experimentará mais nenhuma segurança financeira. Isso mexeu com Jesus!

Se pensarmos em termos econômicos, teremos que deduzir que a Viúva Pobre foi irresponsável. Ora, não se doa tudo o que se tem. Um pouco antes de entrar no templo aquela mulher tinha alguma coisa nas mãos, mas, ao sair dele, ela não tem mais nada. Antes, mesmo em níveis mínimos, ela vivia uma “bela independência”, mas, logo que saiu, abdicou da mesma; transformou-se numa pessoa carente que precisa da ajuda de alguém para sobreviver. Alguém quer elogiá-la como Jesus elogiou? Tudo bem, mas todo e qualquer elogio não vai encher o seu estômago.

A oferta daquela Viúva Pobre foi sem sentido caritativo; foi economicamente insana e socialmente irresponsável e, mesmo assim, Jesus a elogiou. Sabem por quê? Porque no momento em que ela doou o seu bem, ela também se colocou como alguém que carece de doação e essa é uma atitude de fé.

A viúva entrou no pátio do templo como uma pessoa independente e saiu de lá com alguém dependente; passou pelo portão do templo como uma alguém que é senhora dos seus atos e voltou como uma pessoa que precisa ser carregada; pisou no pátio do templo com o peito cheio de alegria e, depois de fazer sua doação, saiu daquele lugar, movida pelo mesmo contentamento.
 
Notem que o ato de doar o que possuía não mudou o seu estado de espírito; não mexeu com os seus sentimentos; não indicou nenhuma conversão. Ela mostrou ser uma pessoa equilibrada, serena, antes e depois de doar. Tudo isso porque a sua doação foi motivada pela fé. Foi por isso que Jesus a elogiou.

É neste aspecto que a oferta da Viúva Pobre se difere da oferta das pessoas ricas. A diferença entre as duas ofertas está no sentimento que estas duas classes sociais têm, ao fazerem suas doações. Atrás daquela oferta menor se esconde uma vida de fé, uma realidade que Jesus não percebe na oferta das pessoas ricas que até podem dar mais, por causa do seu orçamento, mas isso não vem ao caso.

A Viúva Pobre nos dá o recado de que a vida sonhada por Deus para nós tem a ver com dar e receber. Os bons relacionamentos sempre dependem do dar e do receber. No matrimônio é assim; entre mães e pais com suas filhas e seus filhos é assim; entre amigas e amigos e entre as pessoas com as quais temos contatos é assim.
 
O “dar” não acontece sem o “receber”, assim como o “receber” não acontece sem o “dar”. Se alguém só “dá” e nunca recebe, algo está errado. Da mesma forma, se alguém só “recebe” e nunca “dá”, isso também não está correto. 
 
Assim como o ser humano não vive só, a partir de si mesmo, ele também não vive só para si mesmo. Para que a vida tenha sentido, é preciso mais do que se realizar apenas com “doação” e ou com “recepção”. Quem recebe ou dá confia. É na confiança que conseguimos descansar. Amém!