16.5.11

Comunidade Evangélica de Nova Santa Rosa

Faz pouco voltei de Nova Santa Rosa, a “Jóia do Oeste” do Paraná. Que experiência! Saí de Joinville na quinta-feira, às cinco da madrugada. Foi no início da tarde que estacionei o meu carro ao lado do templo luterano onde a colega Ester D. Wilke e o colega Milton Tribess atuam como ministra e ministro da IECLB. À noite eu já iniciaria uma primeira palestra sob o Tema “Comunhão e Cuidado”. Fui bem hospedado na casa da família Krämer. Tomei banho, dormi e logo chegou a hora. Tive o privilégio de ver muitas das filhas e dos filhos dos quase todos descendentes de gaúchos que, lá pelos idos de 1951, decidiram buscar futuro melhor um pouco mais ao norte do país.

Comecei minhas falas cantando a primeira estrofe de um hino que, um dia, ouvi em frequência modulada numa das Rádios de Cruz Alta (RS) onde trabalhei como pastor: “Tendo o céu como galpão, e o por do sol como braseiro, ficam eles quarteando (comungando), lindos sonhos companheiro.“ Todos estavam atentos. Ah como eu gosto de ser pastor; de poder repartir o que Deus me privilegiou viver. Sim, matei minhas saudades dos tempos de evangelista da IECLB. Lá se vão quase vinte anos de história.

Dormi muito bem na noite quinta para sexta. Depois do chimarrão amigo, tomamos café no recôndito do lar dos Krämer. Experimentamos comunhão. Depois de muitos anos, pisei novamente o chão de uma oficina mecânica familiar onde vi funcionários atuando em automóveis de múltiplas marcas e todos com mãos ativas, rostos felizes. Saí para a rua para sentir a cidade, aspirar o cheiro da sua feminilidade. Cumprimentei as pessoas que também andavam de bicicleta. Churrasqueei, sim, até recebi agrados simbolizados numa laranja. Vivi e respirei saúde...

A noite de sexta-feira foi se mostrando real. Nela pude repartir mais um pouco mais daquilo que “carregava na bagagem” e então veio a inevitável despedida. Abraços recheados de “feedback”. Carinhos azuis e vermelhos. Coisa boa constatar que a Comunidade que me hospedava não competia com o Sínodo Rio Paraná, a partir dos seus programas. Adormeci tarde da noite. Liguei a ignição do meu automóvel na prematura manhã de sábado. Viajei um bom tempo até chegar a casa. O nosso povo do “Passeando pela Bíblia” estava a mil, por causa da “Noite da Batata”. A Valmi , como sempre, articulava o seu dom. Demorou quase nada e eu me reintegrei no velho contexto. Abraços!

Um comentário:

Herbert e Ester disse...

Então, para você, a experiência foi jóia no oeste do Paraná? E para nós daqui, muito jóia! Essa vivência de comunhão tem algo que é até difícil de descrever. É de Deus, mesmo!!!
Obrigada, Renato! Tua presença foi joia!!!